Rádio Feira – Divulgação 1 de Maio 2014 / Encontro de Graffiti

No dia 19-04-2014 a Rádio da Juventude fez mais uma edição da Rádio Feira, atividade de comunicação popular no formato ‘rádio poste’ realizada na feira livre da Vila Margarida, São Vicente-SP.
Esta edição teve como foco a divulgação da Atividade do Primeiro de Maio / Primeiro Encontro de Graffiti no México 70, que ocorrerá na Praça da “B”, a partir dàs 9h.
Outras discussões foram colocadas em pauta como Funk Ostentação, situação do transporte em São Vicente, eleições e a organização popular, etc.
Agradecemos o apoio de sempre do sr. Narciso (Móveis Narciso) que sempre fornece o ponto de luz para que realização da Rádio Feira e agora também o ponto de internet .0/

Rádio Feira – Divulgação 1 de Maio 2014 / Encontro Graffiti (Rádio da Juventude)

Download: VBR MP3 (102 MB) | Ogg Vorbis (54.3 MB)

 

Share

Pressão popular marca a 1ª Audiência Pública sobre o Túnel Santos – Guarujá

Ocorreu terça-feira, 12/11, na Arena Santos, a 1ª Audiência Pública sobre o Túnel que ligará Santos – Guarujá.

A população marcou presença mesmo incerta da Audiência acontecer devido uma liminar do Ministério Público pedindo a suspensão. Porém a Dersa entrou com recurso e conseguiu reverter.

2Dentre os questionamentos levantados, além do já publicado neste mesmo site (leia aqui), tiveram: Falta de planejamento junto à CET; O projeto não possui o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) e Urbano; Descumprida a lei que determina que todo projeto que causa impacto na cidade deve ser entregue e apresentado com 45 dias de antecedência; Pessoas com moradia comprometida; Várias outras necessidades mais prioritárias foram apontadas.3

Após várias intervenções e gritos de repúdio, correu um Abaixo Assinado de pedido de NULIDADE da Audiência Pública, a qual juntou um mínimo de 50 assinaturas com nomes e RGs.

 

Segue abaixo o audio com alguns momentos da Audiência:

Logo menos publicaremos mais informações.

Seguimos alertas!
Viva a pressão popular!

Share

Manifesto: a luta pelo transporte e os erros da esquerda

A crítica que fazemos aqui é baseada nos acontecimentos nacionais das últimas semanas, mas principalmente no que aconteceu em São Paulo e na Baixada Santista. E também, claro, no nosso acúmulo de luta. Como nos consideramos militantes de esquerda, não deixa de ser uma autocrítica, partindo do pressuposto de que todos estamos do mesmo lado. Nós, que não integramos partidos, mas não somos apolíticos, muito menos anti-organização, questionamos as organizações políticas de esquerda em geral, que de fato têm sua parte de responsabilidade nesses episódios.

Nas últimas semanas pipocaram em todo o País manifestações contra o aumento das tarifas nos transportes coletivos. Como já discutimos aqui, e não é novidade, uma direita conservadora se apropriou dos protestos para empurrar suas pautas, que apesar do discurso são muito mais despolitizantes que o contrário. O tema da tarifa do transporte, bem como sua qualidade e (falta de) transparência na prestação de contas, ficaram em último plano com o atropelo da pauta reacionária, abrigada no guarda-chuva “contra a corrupção”, que com seu senso-comum e roupagem nacionalista, conseguiu ser mais atraente para a maior parte das pessoas do que as particularidades da luta por um transporte efetivamente público.

A ofensiva dessas pautas foi um fenômeno avassalador, que tirou a luta do espectro da esquerda. Mas nossa reflexão aqui é: quais os erros da esquerda que possibilitaram essa virada conservadora?

Herança do PT
Cabe lembrarmos que tudo isso é fruto da fragmentação da esquerda que já ocorria antes da chegada do PT ao governo federal (e depois se intensificou). Os partidos priorizaram a questão institucional e procuraram atrair para os organismos institucionais não só sua militância, a juventude incluída, mas também lideranças e militantes de movimentos sociais. Com isso o trabalho de base deixou de ser feito, abrindo a possibilidade de que a organização e as pautas reivindicatórias surgissem de forma espontânea e crescesse de forma virtual, até se materializar nas ruas como vimos no último período.

Apartidarismo x Antipartidarismo

Uma das características comuns à quase totalidade dos locais que recebem esses protestos é uma confusão entre apartidarismo (quando o movimento não é comandado por um partido político), e o antipartidarismo (a recusa da participação de qualquer partido nessas manifestações). Começou-se com uma discussão sobre a presença de bandeiras de legendas, até chegar-se ao absurdo da intimidação a partidários, e até agressões a pessoas que integram movimentos sociais, o que revela extrema ignorância, já que o próprio Movimento Passe Livre é um movimento social.

Insuflados por membros de organizações de extrema direita, como neonazistas e integralistas, esse público despolitizado, que nunca havia saído às ruas (e sempre condenou protestos do tipo), teve uma postura de violência contra qualquer tipo de organização que luta por causas sociais.
Colocou-se no mesmo saco todos os partidos do campo da esquerda (desde o PT até o PCR, passando por PSol e PSTU), entidades sindicais, movimentos sociais, e até grupos anarquistas.

Anti-organização

Ou seja, qualquer grupo organizado que se identificava como tal, que sempre esteve nas ruas, era expulso pelos manifestantes que nunca haviam participado de qualquer protesto, que não fossem as bizarras “marchas contra a corrupção”, de dois anos atrás. Em São Paulo, chegou a cúmulos como uma grande faixa com a inscrição “Meu partido é meu País”, que além de revelar uma inocência infantil, assusta pelo potencial perigo de um desenvolvimento dessa ideia. Revela também, nas entrelinhas, uma recusa a qualquer forma de organização política, como se a busca por mudanças não fosse por si só uma reivindicação política.

Hegemonização

Uma das causas que nos vêm à cabeça é a constante tentativa de hegemonização das organizações políticas de esquerda. A gente sabe que tal sindicato/entidade estudantil é dos partidos x e y, ou das organizações a, b e c. Isso reproduz a própria dinâmica interna de grande parte dos partidos, em que as maiores correntes disputam a hegemonia da legenda. Propositalmente ou não, esquecem que os nossos inimigos estão lá fora.

Mas o que é relativamente novo é a “vanguardização” dos protestos. Grande parte dos partidos e/ou outras organizações da esquerda levam essa hegemonização também para as ruas. Seja com inúmeras bandeiras ou com aparato técnico, como megafones e carros de som (o famoso “dono da bola”), grande parte dessas organizações pretende “ganhar” os atos, como se fosse essa a maior causa. Ou então esses próprios partidos ou organizações são quem convocam as mobilizações, o que se é justo no caso de sindicatos, movimentos e entidades semelhantes, só faz fracionar a luta no caso de organizações políticas, já que muitas delas parecem querer tutelar as manifestações, como se fossem donas dos protestos, ou pelo menos quem decide seus rumos, em vez de fortalecer para que esses movimentos caminhem com as próprias pernas – claro que com a contribuição dos compas partidários, e apoio das organizações, mas sem tentativas de disputa interna, afinal todos estamos do mesmo lado.

E apesar do que a vanguarda pensa, o povo pode ser despolitizado, mas não é burro. Quando as pessoas veem aquele monte de bandeiras, e de forma geral o aparelhamento das manifestações, há duas reações possíveis: ou pulam fora da luta, ou protestam contra essas tentativas. Por conta dessa postura de parte da esquerda, ela mesma acaba se isolando.

Anti-diálogo

Esse isolamento não vem de hoje, mas nas últimas semanas ficou evidente. Não foi a só a grande mídia que desinformou a população para que ela rejeitasse os partidos. Foram os próprios partidos que se fecharam à população que podemos chamar de “não-militante”.

Foi uma opção histórica de muitos partidos da esquerda se concentrarem nas disputas dentro dos muros de sindicatos, universidades e movimentos, enquanto o trabalho de base, tão importante para mudar a realidade das trabalhadoras e dos trabalhadores nos bairros e no campo, foi relegado a segundo plano. Se tornou uma disputa mais por cargos de diretoria e influência hierárquica do que exatamente uma luta social. Raros são os partidos ou organizações que investem mais na base, no trabalho do dia a dia, com os “peões”, do que na batalha por maior influência e hegemonia dentro das entidades e movimentos, como a tomada de cargos de direção.

Como resultado, quem está do lado de fora, que são a maioria das pessoas, não conhece os projetos e ideias desses partidos ou organizações, que por sua parte, além de se encastelarem nas entidades estudantis, sindicais etc, não se abrem à população em geral, muitos menos se preocupam em dialogar com essas pessoas. Claro que há exceções aqui e ali, mas só confirmam a regra.

Autonomia pra quê?

O relativo sucesso do MPL (antes do sequestro da pauta) só se deu porque o movimento deixou bem claro seu objetivo de curto prazo, que era somente um: a revogação do aumento da tarifa. Especulamos que essa meta, bem clara desde o início, foi definida com facilidade pelas próprias características do MPL, de ser um movimento pequeno, porém com acúmulo de mais de 7 anos, e acima de tudo: horizontal e autônomo.

A horizontalidade pressupõe que não há pessoas com poder de decisão maior que outras, e que uma pessoa não pode tomar, em nome do movimento, iniciativas que não sejam consensuadas pelo próprio movimento. Um membro do MPL, por exemplo, não poderia prometer a um governante que o movimento pararia com as manifestações com a revogação do aumento, se isso não tivesse sido aprovado anteriormente pelos integrantes do MPL.

Explicando melhor sobre a autonomia do movimento: entende-se que ele é independente de qualquer outro movimento, organização política ou instituição. Ele não deixa de ser aberto a todos os partidos e organizações, porém as decisões do movimento são tomadas pelos próprios integrantes, o que evita o que vem acontecendo em lugares com maior influência de partidos e organizações da esquerda: uma pauta mais extensa, para dar espaço às reivindicações das diferentes entidades, esvaziamento em anos de eleição, e conflito de interesses e objetivos, pelo que já dissemos anteriormente sobre as tentativas de hegemonização.

Enfim, como um coletivo de comunicação popular formado por militantes de esquerda que desejam que nossas lutas tenham êxito, no nosso pensamento a maior parte da esquerda combativa organizada:

– erra em repetir essas práticas de hegemonização e aparelhamento dos atos e dos movimentos;
– erra em não dialogar com a sociedade como um todo, preferindo atuar em meios como estudantil e sindical, ou se fechar em si próprias;
– com essas atitudes só ajudam a provocar nas pessoas a sensação de que estar organizado é algo negativo.

No que não acreditamos

Não temos a ilusão de que os partidos “de esquerda” que travam a luta institucional (da situação e de oposição), mudem seu foco institucional, quer dizer, visualizem nessa massa amorfa e despolitizada uma possibilidade de angariar votos para a próxima eleição.

No que acreditamos

Acreditamos que devemos trabalhar para aliar a luta popular por reinvindicações de direitos gerais, como a questão da tarifa, mas somar nas pautas trabalhistas, não para que os sindicatos e partidos da ordem tenham a hegemonia da luta social, mas para colocar na pauta novamente a luta da classe trabalhadora, marcar novamente o terreno, pois a direita (PSDB e aliados) já está se movimentando nesse sentido, inovando, inclusive, ao defender a entrada em movimentos sociais e sindicais.

Nossa esperança, e procuramos lutar por isso, é que a esquerda combativa possa superar o Esquerdômetro, e se unir nas lutas de maneira geral, sem deixar de lado seus próprios princípios, mas buscando ao máximo equalizar seus objetivos com os das organizações irmãs, e além de tudo, respeitando a completa autonomia dos movimentos sociais organizados. Esse é o primeiro passo para que mais vitórias como essa última do MPL-SP possam acontecer.

fotos: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Share

13 JUNHO 2013 (BR-SP) Movimento Passe Livre: Por que estamos nas ruas

Texto copiado de http://passapalavra.info/2013/06/79001

O modelo de transporte coletivo baseado em concessões para exploração privada e cobrança de tarifa está esgotado. E continuará em crise enquanto o deslocamento urbano seguir a lógica da mercadoria, oposta à noção de direito fundamental para todas e todos.

Essa lógica, cujo norte é o lucro, leva as empresas, com a conivência do poder público, a aumentar repetidamente as tarifas. O aumento faz com que mais usuários do sistema deixem de usá-lo, e, com menos passageiros, as empresas aplicam novos reajustes.

Isso é uma violência contra a maior parte da população, que como evidencia a matéria publicada ontem pelo portal UOL, chega a deixar de se alimentar para pagar a passagem. Calcula-se que são 37 milhões de brasileiros excluídos do sistema de transporte por não ter como pagar. Esse número, já defasado, não surgiu do nada: de 20 em 20 centavos, o transporte se tornou, de acordo com o IBGE, o terceiro maior gasto da família brasileira, retirando da população o direito de se locomover.

População que se desloca na maioria das vezes para trabalhar e que, no entanto, paga quase sozinha essa conta, sem a contribuição dos setores que verdadeiramente se beneficiam dos deslocamentos. Por isso defendemos a tarifa zero, que nada mais é do que uma forma indireta de bancar os custos do sistema, dividindo a conta entre todos, já que todos são beneficiados por ele.

Esse é o contexto que fez surgir o Movimento Passe Livre em diversas cidades do Brasil. Por isso há anos estamos empenhando lutas por melhorias e por outro paradigma de transporte coletivo. Neste momento, em que nos manifestamos em São Paulo pela revogação do aumento nas passagens, milhares protestam no Rio de Janeiro, além de Goiânia, onde a luta obteve vitória, assim como venceram os manifestantes de Porto Alegre há dois meses.

O impacto violento do aumento no bolso da população faz as manifestações extrapolarem os limites do próprio movimento. E as ações violentas da Polícia Militar, acirrando os ânimos e provocando os manifestantes, levaram os protestos a se transformar em uma revolta popular.

O prefeito Fernando Haddad, direto de Paris, ao lado do governador Geraldo Alckmin, exige que o movimento assuma uma responsabilidade que não nos cabe. Não somos nós os que assinam os contratos e determinamos os custos do transporte repassados aos mais pobres. Não somos nós que afirmamos que o aumento está abaixo da inflação sem considerar que, de 1994 para cá, com uma inflação acumulada em 332%, a tarifa deveria custar R$ 2,16 e o metrô, R$ 2,59.

Além disso, perguntamos: e os salários da maior parte da população, acompanharam a inflação?

A discrepância entre o custo do sistema e o quanto, como e quando se cobra por ele evidenciam que as decisões devem estar no campo político, não técnico. É uma questão de escolha: se nossa sociedade decidir que sim, o transporte é um direito e deve estar disponível a todos, sem distinção ou tarifa, então ela achará meios para tal. Isso parcialmente foi feito com a saúde e a educação. Mas sem transporte público, o cidadão vê seu acesso a essas áreas fundamentais limitado. Alguém acharia certo um aluno pagar uma tarifa qualquer antes de entrar em sala de aula? Ou para ser atendido em um posto de saúde?

Haddad não pode fugir de sua responsabilidade e se esconder atrás do bilhete mensal, proposta que beneficiará poucos usuários e aumentará em mais de 50% o subsídio que poderia ser revertido para reduzir a tarifa.

A demanda popular imediata é a revogação do aumento, e é nesses termos que qualquer diálogo deve ser estabelecido. A população já conquistou a revogação do aumento da tarifa em Natal, Porto Alegre e Goiânia. Falta São Paulo.

Pelos militantes do Movimento Passe Livre:
NINA CAPPELLO, 23, estudante de direito da USP,
ERICA DE OLIVEIRA, 22, estudante de história da USP,
DANIEL GUIMARÃES, 29, jornalista, e
RAFAEL SIQUEIRA, 38, professor de música

Share

Já pensou se o Ministério fosse Público?

O resultado do inquérito sobre a proibição do uso de dinheiro nos ônibus de Santos, e o acordo promovido com a prefeitura da cidade e a viação, se somam à declaração do promotor de São Paulo que pedia a morte dos manifestantes. A conclusão é uma só: o Ministério “Público” é mais um braço do Estado e do Capital, criado pra nos esmagar

Dia desses publicamos aqui no blog a declaração do promotor que incentivou o assassinato de pessoas que apenas lutavam pelo direito de ter um transporte efetivamente público.

Pois bem, para quem acredita que o Ministério “Público” está do lado do povo, antes de falar sobre a questão do transporte em Santos, vale relembrar mais um episódio: nos crimes de maio de 2006, quando mais de 500 pessoas foram mortas no Estado, promotores “públicos” da capital paulista parabenizaram a ação enérgica do governo. Isso mesmo, eles parabenizaram a matança promovida por agentes do Estado, quando em nove dias foram assassinadas mais pessoas que o número oficial de mortos e desaparecidos políticos em toda a Ditadura Militar. Não contentes, os promotores de todo o estado denunciaram sequer um policial por conta das mortes daquele mês, e até hoje os crimes seguem impunes.

Voltando ao assunto…

Barbosinha e busão

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa: com ele, só com cartão

Essa postagem é pra comentar o resultado do inquérito que o Ministério “Público” Estadual em Santos abriu para investigar a questão da obrigatoriedade do uso do cartão no transporte “público”, com a consequente proibição em dinheiro. O resultado do inquérito saiu há umas duas semanas, bem como a íntegra do TAC, Termo de Ajustamento de Conduta, que trocando em miúdos é um acordo feito entre diferentes partes, no caso, entre o Ministério “Público”, a Prefeitura de Santos, a CET e a Viação Piracicabana. Seguem os links com os documentos:

Inquérito (arquivado) sobre obrigatoriedade do cartão

TAC entre MP, Prefeitura de Santos, CET e Viação Piracicabana

O inquérito civil nº 14.0426.0001858/2013-4 foi aberto a pedido de cidadãos independentes, e também do PSOL-Santos. A denúncia era de que a Prefeitura incentivava a contravenção, pelo fato de a moeda corrente no País não ser aceita. (artigo 43 da Lei de Contravenções Penais). Para se explicarem, foram chamados representantes da CET e da Viação Piracicabana. Em uma das ocasiões, inclusive, o próprio prefeito Paulo Alexandre Barbosa (Barbosinha pros íntimos), esteve presente em reunião. O Ministério “Público” pediu que a CET retirasse um ponto na resolução que previa o desembarque imediato de quem estivesse sem o cartão. Por fim, o inquérito cita que foi celebrado um TAC com a Prefeitura, CET e Priacicabana, com um parágrafo que permitiria às pessoas pagarem a tarifa em dinheiro.

Olhem só o que o Ministério “Público” diz:

As razões que levaram o Poder Público Municipal a implantar a bilhetagem eletrônica no sistema de transporte urbano são bastante razoáveis. Essa medida representa o fim da dupla função dos motoristas (nesta cidade, há muitos anos a função de cobrador foi abolida); maior agilidade no trânsito; diminuição dos assaltos; além de permitir, no futuro, a integração do VLT (Veículo Leve Sobre Trilho), cujas obras em breve terão início, possibilitando, assim, a tarifa única nesse sistema.

[É pra rir ou pra chorar?]

O documento ainda conclui que não se caracteriza em contravenção, que só ocorreria se os bilhetes eletrônicos fossem comprados em moeda estrangeira.

Em seguida o documento diz que quer evitar constrangimentos do cidadão, visto que Santos é uma cidade turística (turistas sempre em primeiro plano), e por isso a necessidade de celebrar o TAC, que em uma das partes diz o seguinte:

CLÁUSULA TERCEIRA – As compromissárias assumem a obrigação consistente em, a partir do pŕoximo dia 23 de maio, permitir que o usuário-consumidor venha a ser efetivamente transportado, ainda que embarque no coletivo sem possuir seu cartão eletrônico, ressalvando o disposto na cláusula quarta.

PARÁGRAFO ÚNICO – Na hipótese prevista no caput desta cláusula, e de forma excepcional, o pagamento da tarifa será efetuado em moeda corrente diretamente ao motorista do coletivo, que receberá o valor devido e imediatamente promoverá a liberação da catraca

Essa cláusula, segundo o Ministério “Público”, impede que “o usuário seja pego de surpresa, e passe pelo constrangimento de ser obrigado a desembarcar do coletivo”.

Lindo, né? Então, se o pagamento em dinheiro não é proibido, porque seríamos obrigados a ter um cartão? Quem tiver com dinheiro no bolso pode pegar o busão, certo? Não é bem assim, porque aí vem a cláusula quarta. No documento do TAC, poedemos ver ela na íntegra. Vamos rir?

CLÁUSULA QUARTA – O pagamento da tarifa em moeda corrente não será aceito do usuário que, comprovadamente identificado, inclusive por imagens, já tenha embarcado em coletivo por ao menos 3 (três) vezes dentro do curso de um único mês do ano, sem dispor previamente de seu cartão eletrônico com crédito, hipótese em que poderá ser negado o direito de prosseguir viagem.

PARÁGRAFO ÚNICO – Os compromissários poderão criar sistemas de identificação do usuário-consumidor que embarcar no coletivo sem possuir previamente cartão eletrônico.

Ou seja, quem não tiver cartão tem um limite de 3 vezes por mês pra pagar em dinheiro. E como os motoristas vão saber se aquela pessoa já pegou o busão 3 vezes no mês? Ah, mas os ônibus têm câmera! Imagina só a situação: o motorista pedindo pra central ver a minha fuça na câmera de monitoramento, que passará ao vivo, para confirmar se eu já peguei três vezes ônibus com dinheiro. Aí a central joga meu rosto num banco de dados, com uma tecnologia de última geração que identifica os traços faciais, pra no final ver que eu não peguei neste mês um ônibus com dinheiro. Alguém fez a gente de trouxa, concorda?

Aí eu volto pro inquérito civil arquivado, que sobre essa questão da tecnologia diz o seguinte:

(…) Contudo, o sistema de identificação desse usuário não foi criado, conforme revela o parágrafo único dessa cláusula, e, convenhamos, certamente não o será, em face da sua mais evidente complexidade, considerando os milhares de usuários do sistema.

Bem, se nosso nobre promotor faz essa observação (convenhamos!), a gente espera que o Ministério “Público” cobre alguma providência, certo? Errado. Simplesmente ficou por isso mesmo. Os caras reconhecem que uma parte do acordo (TAC) firmado é impossível de ser cumprido, e fica assim. Convenhamos, bem conveniente.

O que aconteceu no final é que eles jogam a responsabilidade pra gente: trabalhadores e trabalhadoras que dependem do transporte coletivo, e motoristas que sofrem todo dia com as condições de trabalho. Se eu quero discordar disso, e vou pagar em dinheiro, é o coitado do motorista que tem que conferir a grana e liberar a botoeira. Se ele se recusa a receber o dinheiro, sou eu que fico a pé, ou então insisto que ele tem que me deixar embarcar, porque é o que foi acordado, só que aí eu tô entrando em conflito com outro trabalhador tão fudido como eu, que além de ter a jornada dupla, sofre duplamente: na mão da empresa e na mão do sindicato.

E aí, o que fazer? Só a ação direta mesmo, a exemplo do que tá pipocando em São Paulo, Rio, Porto Alegre, Goiânia e outras cidades. O aumento dos intermunicipais já chegou, as tentativas de nos esmagarem não param.

Por fim, te pergunto: Pra que serve o Ministério “Público”? Já viu alguma instituição do lado de cá da barricada?

Share

(Re)começa a luta contra o aumento da tarifa!

Novamente aumenta a tarifa do busão em Santos, e os militantes vão a reboque. Com um fato tão certo e tão unânime como o o impacto do reajuste do transporte nos nossos bolsos, como fazer frente a isso, com uma diferença de poder tão grande? Retomemos a luta!

Surpreendeu muita gente a notícia de que Santos ia ter mais uma vez aumentada a tarifa do transporte público municipal. Não bastasse ano passado ter subido de R$ 2,50 para R$ 2,65, a prefeitura da cidade abriu mais um pouquinho as pernas e desta vez subiu a passagem para R$ 2,90, em uma cidade pequena e plana, que a cada dia faz de tudo para expulsar os mais pobres. Novamente antes da volta às aulas, quando os estudantes, historicamente os mais combativos a reajustes no transporte, estão em férias escolares.

Fato é que a reação foi quase instantânea. Foi marcada manifestação para dali a dois dias, na Praça Mauá, em frente à Prefeitura. Porém num sábado, quando não há expediente no Centro da cidade. Muito menos do prefeito, em tese o principal alvo de críticas dos manifestantes.

A chuva afugentou alguns possíveis manifestantes, mas cerca de 40 compareceram à praça, o que pode ser considerado um bom número pra tradição recente santista. Fermentados pelo ano eleitoral, diferentes partidos políticos estiveram representados ali (alguns realmente de luta, outros nem tanto). Estudantes, libertários e outras pessoas sem ligação com grupos ou ideologias em particular também fizeram questão de comparecer. Curiosamente, dos quatro organizadores do evento no facebook, dois não apareceram. E houve quem reclamasse das confirmações falsas na rede social.

Terminada a chuva, o que faltou acontecer mesmo foi um ato, o que seria prato cheio para a mídia empresarial. O principal jornal da cidade enviou repórter e fotógrafo para a praça, talvez esperando um volume como o visto pela manhã, em uma manifestação contra a violência animal, no Gonzaga (bairro nobre da cidade), quando mais de 400 pessoas se colocaram radicalmente a favor dos cães e gatos. Inicialmente divididos, os manifestantes contra o aumento da tarifa decidiram posar para o jornal, o mesmo que recebe anúncios das viações e dos órgãos públicos municipais responsáveis pelo reajuste para R$ 2,90.

Fotos tiradas, definiu-se por uma assembleia para apontar os próximos passos da frente. Os partidários deixaram a legenda de lado nas sugestões, todos que pediram a palavra foram ouvidos atentamente, e as ideias debatidas. Chegando no meio da reunião, um pré-candidato a vereador e um pré-candidato a prefeito apareceram, sendo que o primeiro chegou a falar à assembleia, improvisada no ponto do bondinho turístico. Venceu a moderação, sem muitas propostas combativas, e sim dois indicativos de manifestações, desta vez em horários e locais que possam “incomodar” mais as “autoridades”.

Dentre as propostas, chamou a atenção a fala de um dos companheiros, que disse que poderíamos começar a criar um movimento que pudesse ter continuidade, para aí sim barrar o próximo reajuste, já que é sempre algo mais ou menos esperado, e que manifestações depois que a coisa já está feita não vão fazer o poder (institucional) voltar atrás. Apesar da sensação de impotência em aceitar esse fato, parece mesmo não haver outro objetivo a médio prazo para o caso.

O aprendizado não está tão longe. Ano passado, de fevereiro a abril foram cerca de sete atos, com encontros semanais, reuniões e a criação do Comitê de Lutas pelo Transporte Público da Baixada Santista, que uniu estudantes e não-estudantes na luta por bandeiras imediatas como o passe livre para estudantes, a volta do cobrador, bilhete único metropolitano e abertura das planilhas de custos das viações, e até bandeiras a longo prazo, como o transporte público gratuito, viabilizado por meio de impostos (há em Sampa o movimento pela Tarifa Zero). Apesar da dissolução do comitê em pouco tempo, uma vitória é incontestável: os que fizeram parte daquele grupo estão entre os manifestantes deste último sábado.

Se esta frente recém-forma vai vingar ou não, é cedo para dizer. Preocupa o excessivo conservadorismo, mesmo de jovens, satisfeitos com protestos como contra a corrupção, em que basta gritar contra certos políticos, pintar a cara, cantarem orgulhosos o hino nacional e defenderem valores como a honradez, honestidade, patriotismo, a defesa do povo, enfim, o que defende todo grupo de auto-afirmados “cidadãos conscientes”, e políticos e partidos de praticamente todas as matizes. Houve até reações contrárias a palavrões. A falta de um caráter popular a lutas como essa do transporte também é um desafio a ser encarado. Afinal, o povo não pensa “R$ 2,90 é osso”.

A ofensiva do capital sobre transporte público é mais uma sobre a luta popular entre tantas outras que devemos enfrentar, e a importância em resistir é o aprendizado para outras lutas futuras, desde que mantido o foco: contra o capital e esse sistema representativo que dá carta branca para nossos governantes fazerem o que quiser, sempre a favor de quem concentra poder. Os inimigos estão aí, facilmente identificáveis. Cabe a nós a resistência, em seguida a ofensiva. Afinal, não dizem que todo o poder emana do povo?

Share

É amanhã! 3º Ato!

Sábado, 12 de março, 10h30

Praça da Independência

Gonzaga, Santos

Você está satisfeito em pagar uma passagem de ônibus mais cara que a maioria das capitais do País? Com um serviço de transporte público que só é bom para quem lucra com isso?

Vamos dar nosso grito de indignação:

Ato Contra o Aumento do Busão na Baixada Santista

Estão convidados todos os movimentos, estudantes e cidadãos em geral, revoltados com mais um aumento absurdo, tanto nas tarifas intermunicipais como nas municipais. ESTADO E PREFEITURAS, são todos culpados!

De preferência, vá de bike

QUEM NÃO GRITA QUER TARIFA!

Apoio: Rádio da JuventudeJOC BrasilJuventude e LutaCES, Ideia QuenteOpcional TV,Diga a Verdade e Saia CorrendoPassa Palavra e demais compas de luta!

Veja como foi o 2º Ato, sábado, dia 05, em São Vicente. Paramos o centro da cidade. Até a PM quis saber o que era.

Ideia Quente e Rádio da Juventude:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=flU38StbnqU&feature=player_embedded]

André Cardoso – Juventude e Luta:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=EfRbOVeRGfc&feature=player_embedded]

Adicione a rádio no face e no twitter

Share

3° Ato contra o aumento do busão! Praça da Independência – Gonzaga – Santos

Documentário sobre as manifestações que estão ocorrendo na baixada Santista em relação ao aumento das passagens nos coletivos.

Quem não grita quer tarifa!

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=flU38StbnqU&w=300&h=255]

3º Ato: 10h30 – Praça da Independência – Gonzaga – Santos

Levem cartazes, apitos, protestos e indignação contra esses aumentos abusivos!

Apoio: JOC BrasilCES, Juventude e Luta, Ideia Quente, Opcional TV, Diga a Verdade e Saia Correndo, Passa Palavra e demais compas de luta!

Adicione a rádio no face e no twitter

Share

A luta continua! 2° Ato Contra o Aumento do Busão!!!!

[youtube=http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=T3N9zGJInaI]
Vídeo: André Cardoso/Juventude e Luta

Cerca de 50 pessoas participaram ativamente do 1º Ato Contra o Aumento do Busão na Baixada Santista, sábado passado, em São Vicente. Além disso, 1.800 pequenos panfletos informando sobre o 2º Ato (sábado que vem, às 10h30, também na Praça do Correio) foram distribuídos a quem passava por ali. A participação ativa de cidadãos comuns, que só caminhavam por ali no momento, também superou todas as nossas expectativas.

Além da JOC, estiveram presentes movimentos como o Centro dos Estudantes de Santos (CES), a Pastoral da Juventude, o Juventude e Luta, a ONG Camará, e estudantes e cidadãos comuns sem ligação com movimentos.



Este primeiro ato foi um “empurrão” e uma forma de reunir os movimentos para a causa. Por isso, contamos com quem estiver disposto a participar, inclusive na definição dos rumos a serem tomados.
Acreditamos no potencial de cada um, e contamos com a ajuda de todos para o 2º Ato Contra o Aumento do Busão na Baixada Santista. Começaremos às 10h30, novamente na Praça do Correio, em São Vicente. Cartaz, apito, marchinhas de protesto, o que vier será muito bem vindo.
MÃOS PARA O ALTO, A PASSAGEM É UM ASSALTO!

Abraços
Rádio da Juventude
Tel.: (13) 3029-7712
Share