NOSSOS MORTOS TÊM VOZ: MEMÓRIA DE 22 ANOS DO MASSACRE DO CARANDIRU

No dia 02 de Outubro foi realizado em São Paulo um ato em Memória aos 22 anos do Massacre do Carandiru, organizado por diversos coletivos.

A manifestação contou com diversas intervenções artísticas ao longo do trajeto, fortalecendo a reflexão sobre o papel da polícia, a violência do Estado e a importância da desmilitarização.

Confira alguns registros feitos pela Rádio da Juventude…

Continuar lendo

Share

Galeano vive!

Pronunciamento de movimentos sociais e alun@s brasileir@s da escuelita em apoio aos zapatistas; três ações de solidariedade acontecem em São Paulo

galeano“Os valorizo porque eles como que fizeram um compromisso. Dizem que o que aprenderam aqui vão compartilhar com seus companheiros que de alguma maneira não puderam chegar até aqui, e que vão compartilhar o que nós lhes mostramos, o que eles viram, o que eles aprenderam”

(Galeano – José Luís Solís López – sobre a escuelita, Revista Rebeldía Zapatista, n1)

Nós, participantes brasileir@s da escuelita La libertad según las y los zapatistas abaixo listad@s, encaramos a experiência que tivemos lá exatamente como disse o compa Galeano, assassinado recentemente em uma emboscada que feriu mais quinze pessoas no caracol La Realidad. Nos sentimos não só indignad@s com a violência cometida contra a comunidade como compelid@s a, além de plantar por aqui as sementes de autonomia que crescem por aí, estar ao lado d@s zapatistas nos momentos em que se fizer necessário, já que a nossa solidariedade supera a distância e as fronteiras.

E nós, organizações sociais, movimentos e coletivos organizados desde baixo e preocupados com a justiça e a liberdade, igualmente nos vemos na responsabilidade e na disposição de ajudar a somar e ampliar o coro d@s que se revoltam com cada injustiça cometida contra @s que lutam, ainda mais @s que o fazem de forma tão inspiradora vivendo na plenitude de sua autonomia.

Aqui, nesta outra geografia chamada Brasil, chega também a dor e a raiva que ressoa das montanhas do sudeste mexicano.

Os ataques armados que vitimaram Galeano no dia 2 de maio na comunidade La Realidad – onde está sediada uma das cinco Juntas de Bom Governo, estrutura de poder autônoma em relação ao Estado contruída desde baixo pel@s zapatist@s – vieram de grupos paramilitares que há tempos atuam na região. Além dessa morte, houve mais quinze pessoas feridas e a escola e a clínica que servem a toda comunidade, e não só aos zapatistas, foram destruídas.

Passados os tempos mais duros de conflito entre zapatistas e o mau governo após o EZLN declarar a autonomia de seus territórios em 1994, a estratégia estatal para combater o movimento tem sido estimular ataques e provocações paramilitares, numa guerra de “baixa intensidade” que se combina com projetos assistenciais e outras intervenções “sociais” que visam dividir as bases de apoio. A solidariedade internacional é um elemento importante para constranger e frear a ação do Estado, exigindo que ele deixe de fomentar conflitos, de maneira que a autonomia siga seu caminho.

Se vivemos por aqui, com o estímulo de junho passado, tempos de luta e esperança, de mudança e confrontação com a mesma brutalidade dos de cima que existe em Chiapas e no México em geral, buscamos agora, às vésperas da Copa,  construir um período em que mais e mais gente estará nas ruas, lutando por um mundo onde caibam muitos mundos assim como defende o EZLN e suas bases de apoio.

Atendendo ao chamado feito pelos zapatistas, entre os dias 22 e 31 de maio serão realizadas três atividades em solidariedade e demandando o fim das agressões aos territórios autônomos em Chiapas (clique nos links para saber mais e participar):

22/5 – Bate-papo sobre escuelita na Rádio Cordel Libertário
24/5 – Homenagem a Galeano durante Sarau do Fundão da M`Boi
31/5 – Dia de conversa e difusão do zapatismo na Comuna Aurora Negra – dia de solidariedade aos companheiros caídos – Rua Elias Martin, 11 – Rio Pequeno

Esperamos que nossa luta e solidariedade ressoem aí não como um alento, mas como um estímulo a seguir caminhando. Como comentou um compa ao sub Marcos, “não entendam mal nossas lágrimas, não são de tristeza, são de rebeldia”.

L@s zapatistas no están sol@s!

Galeano vive!

La lucha sigue y sigue!

Assinam:

Alun@s da Escuelita Zapatista la Libertad:

Adriana Moreno
Ana Luisa Queiroz
Ana Paula Morel
Breno Zúnica
Bruna Bernacchio
Camila Jourdan
Cândida Guariba
Elisa Matos Menezes
Felipe Addor
Felipe Mattos Johnson
Frederico Luca
Gabriela Moncau
Júlio Delmanto
Léa Tosold
Leonardo Cordeiro
Luiza Mandetta
Maria Aguilera
Marianna Fernandes Moreira
Matheus Grandi
Pedro Rosas Magrini
Rafael da Costa Gonçalves de Almeida
Renata Bessi

Movimentos sociais:

Biblioteca Terra Livre – http://bibliotecaterralivre.noblogs.org
Casa Mafalda – http://casamafalda.org/
Centro de Mídia Independente – São Paulo – http://www.midiaindependente.org
Coletivo DAR – coletivodar.org
Comboio
Comitê Popular da Copa SP – http://comitepopularsp.wordpress.com/
Desinformémonos Brasil – http://desinformemonos.org/
Instituto Praxis
Margens Clínicas
Mídia Negra – www.midianegra.noblogs.org
Moinho Vivo
Movimento Mães de Maio – http://maesdemaio.blogspot.com.br/
Movimento Passe Livre – São Paulo – http://saopaulo.mpl.org.br/
Organização Anarquista Terra e Liberdade – http://terraeliberdade.org/
Rádio da Juventude – http://radiodajuventude.radiolivre.org
Rede 2 de Outubro – http://rede2deoutubro.blogspot.com.br/
Rede Extremo Sul – http://redeextremosul.wordpress.com/
RIZOMA – Tendencia Libertaria e Autonoma – http://rizoma.milharal.org
Zapatistas Milharal – http://zapatistas.milharal.org
Rádio Várzea Livre  107,7 fm  http://varzea.radiolivre.org/

 

[versión en español]

Galeano vive!

Pronunciamiento de los movimientos sociales y alumn@s brasileñ@s de la Escuelita en apoyo a los zapatistas; tres acciones de solidaridad tendrán lugar en São Paulo

 “Además los valoro porque ellos como que hacen un compromiso. Dicen que lo que han aprendido aquí va a ir con sus compañeros que de alguna manera no pudieron llegar hasta acá, y que sí van a compartir lo que nosotros les enseñamos, lo que ellos vieron, lo que ellos aprendieron.”

(Galeano – José Luís Solís López – sobre la escuelita, Revista Rebeldía Zapatista, n1)

Nosotr@s, participantes brasileñ@s de la escuelita La libertad según las y los zapatistas abajo listad@s, encaramos la experiencia que tuvimos allá exactamente como dijo el compa Galeano, asesinado recientemente en una emboscada que hirió a más quince personas en el caracol La Realidad. Nosotr@s estamos no solamente indignad@s con la violencia cometida contra la comunidad, también sentimos la necesidad de plantar las semillas de la autonomía que crecen por todas las partes y estar al lado de l@s zapatistas en este momento, ya que nuestra solidaridad supera distancias y fronteras.

Y nosotr@s, organizaciones sociales, movimientos y colectivos organizados desde abajo y preocupados con la justicia y la libertad, igualmente sentimos la responsabilidad y la disposición de ayudar a sumar y ampliar el coro de l@s que están indignad@s con cada injusticia cometida a l@s que luchan, especialmente a l@s que lo hacen de manera tan inspiradora viviendo en plenitud de su autonomía.

Aquí en esta otra geografía llamada Brasil llega también el dolor y la rabia que resuena desde las montañas del sureste mexicano.

Los ataques armados que mataron a Galeano en el 2 de mayo, en la comunidad de La Realidad – donde está la sede de una de las cinco Juntas de Buen Gobierno, estructura de poder autónoma en relación al Estado construida desde abajo por l@s zapatist@s -, provenían de grupos paramilitares que operan en la región desde hace tiempo. Además de esta muerte hubo otras quince personas heridas y la escuela y la clínica que atienden a toda la comunidad, no sólo a l@s zapatistas, fueron destruidas.

Después de los momentos más duros y abiertos de conflicto entre zapatistas y el mal gobierno, y tras la declaración de la autonomía de sus territorios en 1994, la estrategia del mal gobierno para combatir el movimiento es estimular los ataques y provocaciones paramilitares, una guerra de “baja intensidad” que se combina con otras intervenciones “sociales” destinadas a dividir las bases de apoyo. La solidaridad internacional es importante para limitar y restringir la acción del Estado, exigiendo que deje de fomentar conflictos, de manera que la autonomía siga libremente su rumbo.

Si vivimos aquí, con el estímulo de junio pasado, tiempo de lucha y esperanza, de cambios y confrontación con la misma brutalidad de los de arriba que ocurre en Chiapas y en México en general, buscamos ahora, a la víspera de la Copa del Mundo, construir un periodo en que más y más gente esté en las calles, luchando por un mundo donde quepan muchos mundos, así como defiende el EZLN y sus bases de apoyo.

Respondiendo al llamado hecho por l@s zapatistas, entre el 22 y 31 de mayo tres actividades se llevarán a cabo en São Paulo, en solidaridad y para exigir el fin de los ataques a los territorios autónomos en Chiapas (haga clic en los enlaces para obtener más informaciones):

22/5 – Charla sobre la escuelita en la Rádio Cordel Libertário
24/5 – Homenaje a Galeano en el Sarau do Fundão da M`Boi
31/5 – Charla y difusión del zapatismo en la Comuna Aurora Negra – dia de solidaridad a los compañeros caídos

Esperamos que nuestra lucha y solidaridad resuenen ahí no como un aliento, sino como un estímulo para seguir caminando. Como dijo un compa al sup Marcos, “no entiendan mal nuestras lágrimas, no son de tristeza, son de rebeldía”.

L@s zapatistas no están sol@s!

Galeano vive!

La lucha sigue y sigue!

Firman:

Alumn@s da Escuelita Zapatista la Libertad:

Adriana Moreno
Ana Luisa Queiroz
Ana Paula Morel
Breno Zúnica
Bruna Bernacchio
Camila Jourdan
Cândida Guariba
Elisa Matos Menezes
Felipe Addor
Felipe Mattos Johnson
Frederico Luca
Gabriela Moncau
Júlio Delmanto
Léa Tosold
Leonardo Cordeiro
Luiza Mandetta
Maria Aguilera
Marianna Fernandes Moreira
Matheus Grandi
Pedro Rosas Magrini
Rafael da Costa Gonçalves de Almeida
Renata Bessi

Movimientos sociales:

Biblioteca Terra Livre – http://bibliotecaterralivre.noblogs.org
Casa Mafalda – http://casamafalda.org/
Centro de Mídia Independente – São Paulo – http://www.midiaindependente.org
Coletivo DAR – coletivodar.org
Comboio
Comitê Popular da Copa SP – http://comitepopularsp.wordpress.com/
Desinformémonos Brasil – http://desinformemonos.org/
Instituto Praxis
Margens Clínicas
Mídia Negra – www.midianegra.noblogs.org
Moinho Vivo
Movimento Mães de Maio – http://maesdemaio.blogspot.com.br/
Movimento Passe Livre – São Paulo – http://saopaulo.mpl.org.br/
Organização Anarquista Terra e Liberdade – http://terraeliberdade.org/
Rádio da Juventude – http://radiodajuventude.radiolivre.org
Rede 2 de Outubro – http://rede2deoutubro.blogspot.com.br/
Rede Extremo Sul – http://redeextremosul.wordpress.com/
RIZOMA – Tendencia Libertaria e Autonoma – http://rizoma.milharal.org
Zapatistas Milharal – http://zapatistas.milharal.org
Rádio Várzea Livre  107,7 fm  http://varzea.radiolivre.org/

 

Share

No Extremo Sul (SP): O Mesmo Caminho, mas um Protesto Diferente

R$ 0,20 É SÓ O COMEÇO

Fonte: http://redeextremosul.wordpress.com/2013/06/21/r-020-e-so-o-comeco/
Publicado em 21/06/2013
Link para o vídeo

O Mesmo Caminho, mas um Protesto Diferente

???????????????????????????????

Há pouco houve mais uma marcha que saiu da entrada do Grajaú, e foi até a Ponte do Socorro (Ponte Santo Dias). Antes dela foram feitas faixas, um ensaio de bateria, e bastante panfletagem. A ideia era lembrar que a revogação do aumento foi uma conquista do povo em luta, e que se a gente se organizar podemos fazer muito mais, para, por exemplo, nunca mais sermos transportados pior do que gado, e ficarmos esmagados num trem, ônibus ou lotação abarrotados de gente.

???????????????????????????????

A novidade desse ato foi que no meio do caminho paramos para que uma passeata vinda do Varginha se juntasse a nós. E nesse momento houve cenas de teatro, poesia, e bandeirão estendido na passarela do Extra da Teotônio Vilela, próximo à Cidade Dutra.

Novamente o ato transcorreu sem problemas e sem violência, e foi concluído pouco depois da chegada à Ponte do Socorro.

Agora se coloca a necessidade de avaliarmos tudo o que ocorreu nas últimas semanas, e com base nisso planejarmos os próximos passos dessa caminhada. Todo Poder ao Povo!

???????????????????????????????

Share

13 JUNHO 2013 (BR-SP) Movimento Passe Livre: Por que estamos nas ruas

Texto copiado de http://passapalavra.info/2013/06/79001

O modelo de transporte coletivo baseado em concessões para exploração privada e cobrança de tarifa está esgotado. E continuará em crise enquanto o deslocamento urbano seguir a lógica da mercadoria, oposta à noção de direito fundamental para todas e todos.

Essa lógica, cujo norte é o lucro, leva as empresas, com a conivência do poder público, a aumentar repetidamente as tarifas. O aumento faz com que mais usuários do sistema deixem de usá-lo, e, com menos passageiros, as empresas aplicam novos reajustes.

Isso é uma violência contra a maior parte da população, que como evidencia a matéria publicada ontem pelo portal UOL, chega a deixar de se alimentar para pagar a passagem. Calcula-se que são 37 milhões de brasileiros excluídos do sistema de transporte por não ter como pagar. Esse número, já defasado, não surgiu do nada: de 20 em 20 centavos, o transporte se tornou, de acordo com o IBGE, o terceiro maior gasto da família brasileira, retirando da população o direito de se locomover.

População que se desloca na maioria das vezes para trabalhar e que, no entanto, paga quase sozinha essa conta, sem a contribuição dos setores que verdadeiramente se beneficiam dos deslocamentos. Por isso defendemos a tarifa zero, que nada mais é do que uma forma indireta de bancar os custos do sistema, dividindo a conta entre todos, já que todos são beneficiados por ele.

Esse é o contexto que fez surgir o Movimento Passe Livre em diversas cidades do Brasil. Por isso há anos estamos empenhando lutas por melhorias e por outro paradigma de transporte coletivo. Neste momento, em que nos manifestamos em São Paulo pela revogação do aumento nas passagens, milhares protestam no Rio de Janeiro, além de Goiânia, onde a luta obteve vitória, assim como venceram os manifestantes de Porto Alegre há dois meses.

O impacto violento do aumento no bolso da população faz as manifestações extrapolarem os limites do próprio movimento. E as ações violentas da Polícia Militar, acirrando os ânimos e provocando os manifestantes, levaram os protestos a se transformar em uma revolta popular.

O prefeito Fernando Haddad, direto de Paris, ao lado do governador Geraldo Alckmin, exige que o movimento assuma uma responsabilidade que não nos cabe. Não somos nós os que assinam os contratos e determinamos os custos do transporte repassados aos mais pobres. Não somos nós que afirmamos que o aumento está abaixo da inflação sem considerar que, de 1994 para cá, com uma inflação acumulada em 332%, a tarifa deveria custar R$ 2,16 e o metrô, R$ 2,59.

Além disso, perguntamos: e os salários da maior parte da população, acompanharam a inflação?

A discrepância entre o custo do sistema e o quanto, como e quando se cobra por ele evidenciam que as decisões devem estar no campo político, não técnico. É uma questão de escolha: se nossa sociedade decidir que sim, o transporte é um direito e deve estar disponível a todos, sem distinção ou tarifa, então ela achará meios para tal. Isso parcialmente foi feito com a saúde e a educação. Mas sem transporte público, o cidadão vê seu acesso a essas áreas fundamentais limitado. Alguém acharia certo um aluno pagar uma tarifa qualquer antes de entrar em sala de aula? Ou para ser atendido em um posto de saúde?

Haddad não pode fugir de sua responsabilidade e se esconder atrás do bilhete mensal, proposta que beneficiará poucos usuários e aumentará em mais de 50% o subsídio que poderia ser revertido para reduzir a tarifa.

A demanda popular imediata é a revogação do aumento, e é nesses termos que qualquer diálogo deve ser estabelecido. A população já conquistou a revogação do aumento da tarifa em Natal, Porto Alegre e Goiânia. Falta São Paulo.

Pelos militantes do Movimento Passe Livre:
NINA CAPPELLO, 23, estudante de direito da USP,
ERICA DE OLIVEIRA, 22, estudante de história da USP,
DANIEL GUIMARÃES, 29, jornalista, e
RAFAEL SIQUEIRA, 38, professor de música

Share

4º Manifesto ekológico e kultural!

CONTRA O NOVO CÓDIGO (ANTI) FLORESTAL

APOIO ÀS COMUNIDADES INDÍGENAS DO LITORAL

PROGRAMAÇÃO CULTURAL :

POETAS /MÚSICOS /ARTISTAS POPULARES /RITUAL DOS ÍNDIOS GUARANI

Os Pícaros

Vicente Lapa

Chiapas Livre

ONG VERDE AMÉRICA, JD. QUIETUDE – PRAIA GRANDE

(Rua Principal) frente à sede da Associação de bairro
————————————————————————————————————–

REALIZAÇÃO

ONG VERDE AMÉRICA

APOIO

SINDICATOS DOS METALÚRGICOS, BANCÁRIOS E SERVIDORES

Share

Moção da discórdia inflama final do processo da II Conferência de Juventude da Região Metropolitana da Baixada Santista

Catharina Apolinário
Jornalista e fotógrafa

Neste último final de semana aconteceu a da II Conferência de Juventude da Região Metropolitana da Baixada Santista em Praia Grande. Como jornalista e membro de um conselho de Juventude de nossa região gostaria de compartilhar com aqueles que não puderam estar presentes a minha indignação com alguns fatos.

Observei muitas propostas boas, importantes, e me senti orgulhosa da participação ética e compromissada dos jovens que ali estavam presentes. Tirando, é claro, aqueles que apenas foram até lá para serem um voto e passaram a tarde “arrumando o que fazer nos cantos da escola” Vila Mirim. As propostas realmente foram ao encontro do que a juventude precisa e deseja.

Fato é que vi muita gente trabalhando com afinco, e a estes, meus parabéns. Porém, vimos um “q” de desorganização em alguns pontos, partindo das refeições para aqueles que pernoitaram na cidade. A Conferência começou no sábado e foi até as 19 horas de domingo. Foi oferecido ano sábado uma refeição que, usando o próprio linguajar dos jovens “não segurou a onda” da fome da galera. O almoço no domingo não tinha opção para vegetarianos que tiveram que ficar a base do arroz e um pouco de salada.

Muitas propostas estavam colocadas nos eixos errados, impossibilitando assim que fossem contempladas na discussão do eixo. Não havia cópias das propostas nos eixos de trabalho, apenas uma, e cada eixo tinha sub-eixos. A discussão em grupo ficou prejudicada. Muitas pessoas da organização não tinham clareza do regimento e davam informações erradas. Não havia um regimento disponível no sábado, e muito do que foi colocado nele não foi cumprido.

Estas e outras situações não tornaram ilegítimo o processo de discussão das propostas por aqueles que saíram de suas cidades para debater políticas públicas para juventude, mas não facilitaram sua realização.

Desta forma, mesmo entendendo que todo processo pode ter falhas e que aprendemos com nossos erros, e ainda levando em consideração que esta é a segunda conferência, que a maioria dos conselhos de juventude estão “engatinhando”, foi elaborada, com a participação de representantes de 5 cidades da região, uma moção OPINATIVA sobra a organização. O conteúdo da moção era apontar algumas falhas e sugerir algumas soluções.

Pois esta moção gerou uma instabilidade desnecessária. Desnecessário a forma como foram tratadas as pessoas que a apresentaram, desnecessária a atitude de algumas pessoas ao se depararem com críticas, desnecessária a ação de gestores municipais, que deram exemplo de violência perante os jovens ali presentes. Segundo o regimento, com 20% dos presentes assinando a moção ela seria válida e iria para votação no plenário. A moção teve 86 assinaturas, o que a tornava legítima para discussão e votação.

Violência antidemocracia

A parte mais triste vem agora. No auditório onde acontecia a plenária final, um membro da Juventude de Guarujá, Fábio Antunes, arrancou a moção da mão de um menino de dez anos que acompanhava a mãe, ambos de Guarujá. Ao observar tal atitude, o representante de Itanhaém, Bruno Pinheiro, passou a repreender o rapaz afirmando que não poderia fazer e tratar daquela forma uma criança de dez anos. A discussão se voltou para a mãe, Aglai Viriato, que foi humilhada e ameaçada. Neste momento, surge um gestor de Mongaguá, chamado de Mirabeli, já chamando o Bruno Pinheiro para “a mão lá fora”. O rapaz afirmou que era preciso conversar e não usar de violência. Muita gente veio segurar o “touro bravo”, e a confusão acabou quando o senhor Danilo Otto afirmou que aquilo era uma democracia e que haveriam de aceitar a moção se estivesse de acordo com o regimento. Aplaudido e aclamado. Todos então voltaram ao plenário e o discurso mudou.

Mas, na ocasião de apresentar e colocar a moção em votação, o representante do Condesb, Danilo Otto, fez questão de ler ele próprio. O que já era uma irresponsabilidade já que a moção tecia críticas, sutis, à organização e comissão organizadora, da qual ele era chefe, e reforço a palavra chefe.

A moção foi lida, o representante de Itanhaém, Bruno Pinheiro teve a palavra e se desculpou pelo ocorrido lá fora, mas lamentou a postura violenta de um gestor perante a juventude. Neste momento, o gestor Mirabeli desceu como uma bala pelas escadarias do auditório, numa clara postura de agressividade, inclusive visíveis nas fotos que esta reles jornalista tirou.

Junto com ele alguns leões de chácara que estavam ali para garantir que ele (Mirabeli), não tomasse nenhuma atitude que pudesse comprometê-lo. Enquanto ele descia os seus gritavam, numa demonstração nada democrática “ih fora!” para o rapaz que apresentava a moção. E muitos gestores municipais incentivavam essa situação correndo pelos corredores e pulando gritando a mesma coisa. Identifiquei ali, inclusive com pesar, representantes do Guarujá.

Enquanto a mãe da criança se desculpava. O Sr. Mirabeli xingava e ameaçava o Bruno Pinheiro, que se mantinha calmo e pacífico, buscando apenas o diálogo. Os xingamentos e ameaças ao rapaz me pareciam preconceituosos.

Foi então, que numa atitude irresponsável, o Sr. Danilo Otto inflamou a juventude presente a se revoltar contra os que eram a favor da moção. A postura dele naquele momento, diferente do que era necessário e ético, se assemelhava a posição de um líder grevista sobre um carro de som, inflamando a multidão contra a moção e contra as pessaos que a apresentavam.

Inclusive, em seu discurso, ele tentou desqualificar uma entidade séria, Ecosurfi, desprestigiar seu trabalho e acusá-la de tentar implodir o processo da conferência. O Sr. Mirabeli também usou o microfone, para dizer que o Bruno Pinheiro (quem conhece sabe) havia ameaçado de agressão o representante de Guarujá Fábio Antunes. Mas nessa hora a coisa já estava tão sem regras, que muita gente não ouviu mais nada daí pra frente. Com demonstração de ironia, O sr. Danilo Otto, ainda concedeu o microfone para a defesa de Bruno Pinheiro por causa da acusação contra a entidade Ecosurfi.

Algumas representantes da juventude de SV, mulheres, gritavam e pulavam como loucas dizendo, “vem fazer melhor então”, e começavam a estimular um grito da juventude de SV. Me parecia uma torcida organizada, pasmem. Portanto, neste momento, o samba do crioulo doido estava instituído. E na ânsia de separar a briga, algumas pessoas acabaram também envolvidas e ameaçadas. Isso gerou revolta de muitos que são a favor da democracia. Que se indignaram com a falta de bom senso dos gestores do processo, inclusive membros da organização.

Meu desabafo vem certo de que haverá represália em todos os sentidos, tendo observado a postura de algumas pessoas. Inclusive, algum jovens não assinaram a moção com o argumento de que seriam prejudicados politicamente. Mas é melhor compartilhar e viver o risco, do que ser conivente com a mentira e a violência sem limite.

A juventude tem sede de democracia e quer ter voz, a transversalidade dos processos deve ser respeitada e a finalidade desta conferência foi violada em sua essência.

Eu acredito na mudança. O que tem por trás desta história toda? A quem interessa manipular o processo? A quem interessa calar a voz da entidades e da juventude? Que tipos de interesses pessoais estas pessoas guardam em seu íntimo, para que tentem suprimir vozes que gritam por democracia?

Extremamaente triste…

Share