Moção da discórdia inflama final do processo da II Conferência de Juventude da Região Metropolitana da Baixada Santista

Catharina Apolinário
Jornalista e fotógrafa

Neste último final de semana aconteceu a da II Conferência de Juventude da Região Metropolitana da Baixada Santista em Praia Grande. Como jornalista e membro de um conselho de Juventude de nossa região gostaria de compartilhar com aqueles que não puderam estar presentes a minha indignação com alguns fatos.

Observei muitas propostas boas, importantes, e me senti orgulhosa da participação ética e compromissada dos jovens que ali estavam presentes. Tirando, é claro, aqueles que apenas foram até lá para serem um voto e passaram a tarde “arrumando o que fazer nos cantos da escola” Vila Mirim. As propostas realmente foram ao encontro do que a juventude precisa e deseja.

Fato é que vi muita gente trabalhando com afinco, e a estes, meus parabéns. Porém, vimos um “q” de desorganização em alguns pontos, partindo das refeições para aqueles que pernoitaram na cidade. A Conferência começou no sábado e foi até as 19 horas de domingo. Foi oferecido ano sábado uma refeição que, usando o próprio linguajar dos jovens “não segurou a onda” da fome da galera. O almoço no domingo não tinha opção para vegetarianos que tiveram que ficar a base do arroz e um pouco de salada.

Muitas propostas estavam colocadas nos eixos errados, impossibilitando assim que fossem contempladas na discussão do eixo. Não havia cópias das propostas nos eixos de trabalho, apenas uma, e cada eixo tinha sub-eixos. A discussão em grupo ficou prejudicada. Muitas pessoas da organização não tinham clareza do regimento e davam informações erradas. Não havia um regimento disponível no sábado, e muito do que foi colocado nele não foi cumprido.

Estas e outras situações não tornaram ilegítimo o processo de discussão das propostas por aqueles que saíram de suas cidades para debater políticas públicas para juventude, mas não facilitaram sua realização.

Desta forma, mesmo entendendo que todo processo pode ter falhas e que aprendemos com nossos erros, e ainda levando em consideração que esta é a segunda conferência, que a maioria dos conselhos de juventude estão “engatinhando”, foi elaborada, com a participação de representantes de 5 cidades da região, uma moção OPINATIVA sobra a organização. O conteúdo da moção era apontar algumas falhas e sugerir algumas soluções.

Pois esta moção gerou uma instabilidade desnecessária. Desnecessário a forma como foram tratadas as pessoas que a apresentaram, desnecessária a atitude de algumas pessoas ao se depararem com críticas, desnecessária a ação de gestores municipais, que deram exemplo de violência perante os jovens ali presentes. Segundo o regimento, com 20% dos presentes assinando a moção ela seria válida e iria para votação no plenário. A moção teve 86 assinaturas, o que a tornava legítima para discussão e votação.

Violência antidemocracia

A parte mais triste vem agora. No auditório onde acontecia a plenária final, um membro da Juventude de Guarujá, Fábio Antunes, arrancou a moção da mão de um menino de dez anos que acompanhava a mãe, ambos de Guarujá. Ao observar tal atitude, o representante de Itanhaém, Bruno Pinheiro, passou a repreender o rapaz afirmando que não poderia fazer e tratar daquela forma uma criança de dez anos. A discussão se voltou para a mãe, Aglai Viriato, que foi humilhada e ameaçada. Neste momento, surge um gestor de Mongaguá, chamado de Mirabeli, já chamando o Bruno Pinheiro para “a mão lá fora”. O rapaz afirmou que era preciso conversar e não usar de violência. Muita gente veio segurar o “touro bravo”, e a confusão acabou quando o senhor Danilo Otto afirmou que aquilo era uma democracia e que haveriam de aceitar a moção se estivesse de acordo com o regimento. Aplaudido e aclamado. Todos então voltaram ao plenário e o discurso mudou.

Mas, na ocasião de apresentar e colocar a moção em votação, o representante do Condesb, Danilo Otto, fez questão de ler ele próprio. O que já era uma irresponsabilidade já que a moção tecia críticas, sutis, à organização e comissão organizadora, da qual ele era chefe, e reforço a palavra chefe.

A moção foi lida, o representante de Itanhaém, Bruno Pinheiro teve a palavra e se desculpou pelo ocorrido lá fora, mas lamentou a postura violenta de um gestor perante a juventude. Neste momento, o gestor Mirabeli desceu como uma bala pelas escadarias do auditório, numa clara postura de agressividade, inclusive visíveis nas fotos que esta reles jornalista tirou.

Junto com ele alguns leões de chácara que estavam ali para garantir que ele (Mirabeli), não tomasse nenhuma atitude que pudesse comprometê-lo. Enquanto ele descia os seus gritavam, numa demonstração nada democrática “ih fora!” para o rapaz que apresentava a moção. E muitos gestores municipais incentivavam essa situação correndo pelos corredores e pulando gritando a mesma coisa. Identifiquei ali, inclusive com pesar, representantes do Guarujá.

Enquanto a mãe da criança se desculpava. O Sr. Mirabeli xingava e ameaçava o Bruno Pinheiro, que se mantinha calmo e pacífico, buscando apenas o diálogo. Os xingamentos e ameaças ao rapaz me pareciam preconceituosos.

Foi então, que numa atitude irresponsável, o Sr. Danilo Otto inflamou a juventude presente a se revoltar contra os que eram a favor da moção. A postura dele naquele momento, diferente do que era necessário e ético, se assemelhava a posição de um líder grevista sobre um carro de som, inflamando a multidão contra a moção e contra as pessaos que a apresentavam.

Inclusive, em seu discurso, ele tentou desqualificar uma entidade séria, Ecosurfi, desprestigiar seu trabalho e acusá-la de tentar implodir o processo da conferência. O Sr. Mirabeli também usou o microfone, para dizer que o Bruno Pinheiro (quem conhece sabe) havia ameaçado de agressão o representante de Guarujá Fábio Antunes. Mas nessa hora a coisa já estava tão sem regras, que muita gente não ouviu mais nada daí pra frente. Com demonstração de ironia, O sr. Danilo Otto, ainda concedeu o microfone para a defesa de Bruno Pinheiro por causa da acusação contra a entidade Ecosurfi.

Algumas representantes da juventude de SV, mulheres, gritavam e pulavam como loucas dizendo, “vem fazer melhor então”, e começavam a estimular um grito da juventude de SV. Me parecia uma torcida organizada, pasmem. Portanto, neste momento, o samba do crioulo doido estava instituído. E na ânsia de separar a briga, algumas pessoas acabaram também envolvidas e ameaçadas. Isso gerou revolta de muitos que são a favor da democracia. Que se indignaram com a falta de bom senso dos gestores do processo, inclusive membros da organização.

Meu desabafo vem certo de que haverá represália em todos os sentidos, tendo observado a postura de algumas pessoas. Inclusive, algum jovens não assinaram a moção com o argumento de que seriam prejudicados politicamente. Mas é melhor compartilhar e viver o risco, do que ser conivente com a mentira e a violência sem limite.

A juventude tem sede de democracia e quer ter voz, a transversalidade dos processos deve ser respeitada e a finalidade desta conferência foi violada em sua essência.

Eu acredito na mudança. O que tem por trás desta história toda? A quem interessa manipular o processo? A quem interessa calar a voz da entidades e da juventude? Que tipos de interesses pessoais estas pessoas guardam em seu íntimo, para que tentem suprimir vozes que gritam por democracia?

Extremamaente triste…

Share

Santos tem espaço para a discussão da cidadania

Em frente ao maior supermercado de Santos, no litoral de São Paulo, uma antiga estação de trem serve como espaço de discussões sobre as questões mais importantes do município. Iniciado há mais de oito anos, o Fórum da Cidadania, uma organização suprapartidária e sem fins lucrativos, é hoje um dos principais polos de debate da sociedade civil na região.

Como afirma o sociólogo e assessor técnico do Fórum da Cidadania, Célio Nori, a origem do espaço de discussões se deu em maio de 2002, nas dependências do Serviço Social do Comércio (Sesc), em decorrência de evento chamado “Semana da Cidadania”. Lá começaram a se reunir segmentos da sociedade civil interessados em discutir assuntos relacionados ao tema.

“O termo ‘cidadania’ acaba sendo um pouco genérico. Alguns dizem que se refere a nacionalidade, pelo termo ‘dupla cidadania’, outros confundem com filantropia. Mas cidadania é o conjunto dos direitos das pessoas, e isso deve ser refletido constantemente. E era isso que queríamos fazer”, afirma Célio, que na época coordenava projetos culturais e esportivos no Sesc.

As reuniões mensais, chamadas de plenárias, começaram a crescer, e abordavam diversos aspectos da realidade social de Santos, e por algumas vezes das outras cidades da região. Neste primeiro ano, a situação era informal – o Fórum não possuía qualquer registro do ponto de vista legal. Em 2003, surgiu a oportunidade de organizar a I Conferência Metropolitana de Cidadania (Concidadania), que teve como tema “Por uma Informação Cidadã”. “Durante aquele ano tivemos 40 pré-conferências temáticas, a maior parte em Santos, e a conferência em outubro. O evento motivou diversos segmentos sociais e acabou pegando”, considera Célio.

Sede própria
Com o crescimento do Fórum, havia a necessidade de se ter um local próprio para as atividades do grupo. A antiga Estação Sorocabana, inaugurada nos anos 1930 pelo presidente Getúlio Vargas, estava desativada e em processo de degradação. Em 2000, o Grupo Pão de Açúcar havia comprado o terreno de trás da estação, onde havia o pátio de manobras, e construiu um hipermercado. Porém, a estação continuava de pé. Houve algumas tentativas de utilização do espaço pela iniciativa privada, e até a ameaça de demolição, porém a estação foi tombada pelo Patrimônio Histórico de Santos.

Surgiu o interesse do Fórum da Cidadania, e houve a necessidade de se criar uma organização não-governamental (ONG). Estava instituído o Concidadania – Consciência pela Cidadania, que em 2006, após dois anos de negociações, conseguiu ter o espaço cedido em comodato pelo Grupo Pão de Açúcar. “Acabou sendo interessante para eles, que não conseguiam dar uma utilidade ao espaço”, considera Célio.

A Estação da Cidadania é um espaço aberto a outras entidades civis e ao poder público. A prefeitura de Santos arca com serviço de limpeza e vigilância do local. Para manter o espaço e as atividades, as fontes de renda são as contribuições mensais dos associados, além da realização de eventos e convênios.

Com um espaço maior, as atividades foram além das plenárias. Hoje há três projetos realizados pelo Fórum: o Escola de Cidadania, que são cursos relacionados ao tema; o Cidadania na Escola, que tem o objetivo de ampliar as funções sociais e culturais das escolas; e o Ponto de Cultura, credenciamento dado em 2010 pelo Ministério da Cultura, em parceria com a Secretaria Estadual de Cultura, que destina anualmente à entidade R$ 60 mil para o desenvolvimento de projetos culturais abertos à comunidade. No ano passado, foram realizadas oficinas em áreas como literatura, teatro, fotografia, vídeo e cultura digital.

Para este ano, o Fórum da Cidania tem alguns focos de trabalho. Um é fomentar o debate sobre meio ambiente, principalmente relacionado à destinação do lixo. Outro assunto a ser discutido é o direito à cidade, visto o crescimento econômico de Santos previsto para os próximos anos. E no segundo semestre, o Fórum vai organizar a etapa regional da Conferência Nacional sobre Transparência e Participação Social (Consocial).

Assim como nas praças públicas na Grécia Antiga, o Fórum da Cidadania tem a intenção de cumprir seu papel no século 21. Como afirma Célio Nori, apenas a garantia legal dos direitos dos cidadãos não é suficiente para que eles sejam respeitados. “Apenas a lei não é suficiente, principalmente para os segmentos mais excluídos da sociedade. Por isso, precisamos lutar para garantir o direito de cidadania a todos”. A Estação da Cidadania fica na Av. Ana Costa, 340, em Santos, e funciona de segunda a sexta, das 14 às 21 horas. O telefone é (13) 3221-2034 e o email contato@forumdacidadania.org.br.

Márcio Garoni, da Rádio da Juventude, para o Radiotube

Share

O Mercosul e os desafios da comunicação: manifesto do grupo de comunicação da Cúpula Social

Post de origem Blog do Miro

Reunidos em Itaipú, Foz do Iguaçú, os integrantes de organizações da sociedade civil reunidos na Comissão de Comunicação dentro da X Cúpula Social do Mercosul, manifestam que:

Vivemos tempos de mudança na América Latina. Hoje, mais do que nunca, os grandes meios de difusão que são parte do poder econômico, convertem-se nos principais opositores a essas mudanças, exercendo um verdadeiro terrorismo midiático. Ao mesmo tempo, vemos com otimismo o fortalecimento e a articulação de iniciativas de comunicação transformadoras, populares, alternativas, comunitárias, educativas e outras. Esses meios disputam sentidos, questionam a hegemonia do pretenso discurso único e são expressão das diversidades de nosso continente.

Afirmamos que a comunicação deve ser reconhecida como um Direito Humano a ser exercido por e para todas as pessoas. O Direito à Comunicação implica garantir diversidade e pluralidade. Não nos conformamos com as proclamações que reduzem a liberdade de expressão à liberdade de empresa. Não se trata somente do fato de que os Estados não censuram a imprensa. Entendemos necessária a implementação, por parte dos Estados, de políticas públicas, com participação cidadã, para garantir a todas e todos o exercício dos direitos à livre expressão, à informação e à comunicação. Dessa forma se possibilitará a expressão a povos e setores silenciados.

Entendemos que isso implica revisar e reformular os marcos regulatórios para assegurar uma comunicação democrática e horizontal. Isso implica, entre outras coisas, que a informação e a comunicação sejam consideradas um direito e não uma simples mercadoria; que se impeçam os monopólios e oligopólios na comunicação; que se assegure o livre acesso à informação pública; que se promovam e fortaleçam os meios do setor social, populares, comunitarios, educativos; que se reconheça e se facilite o direito dos povos originários a gestionar seus próprios meios preservando suas identidades: que se promova a formação de novos comunicadores/as que expressem a identidade de nossas comunidades; que se estimule e facilite a criação ou fortalecimento de redes de comunicação regionais públicas e de gestão de organizações sociais; que se impulsionem e se desenvolvam meios públicos com participação cidadã; que se assegure o acesso e utilização universal dos beneficios das tecnologias da Informação e da Comunicação, garantindo o acesso universal à banda larga para nossos povos.

Nós, dos movimentos sociais, reconhecemos e valorizamos os meios de comunicação próprios, comunitários e populares, comprometendo os maiores esforços em potencializar e articular seu trabalho para contar a história desde o olhar de nossos povos e disputar os sentidos com o discurso do poder. Isso supõe não só mais meios, mas também meios mais fortes, com novas estéticas e articulados em rede. Por isso, estes meios devem ser não só permitidos, mas também fomentados e apoiados pelos Estados. Neste sentido, rechaçamos a criminalização que se exerce atualmente contra meios comunitarios, especialmente no Paraguai e no Brasil.

Apreciamos que o novo cenário continental abra oportunidades e, ao mesmo tempo, desafios para contribuir para a integração de nossos povos, promovendo a solidariedade, facilitando o diálogo intercultural, integrando a diversidade de vozes e dando visibilidade aos povos originários e afrodescendentes, a diversidade sexual, as populações imigrantes, as pessoas com necesidades especiais, mulheres, crianças e jovens, para construir em conjunto “outra América possível”.

Propomos às chancelarias de nossos países que sejam constituídos Conselhos Consultivos da Sociedade Civil, onde ainda não existem, para tornar possível a participação das organizações da sociedade civil no proceso de integração regional. Especificamente, solicitamos que se efetive a participação da sociedade civil na Reunião Especializada de Comunicação Social.

Solicitamos que os estados desenvolvam políticas públicas para meios de comunicação em regiões de fronteira que tendam a favorecer conteúdos em defesa da integração com respeito à diversidade, com participação das populações envolvidas e atendendo sua vivência cotidiana.

Neste sentido, apontamos como exemplo a integração já exercida entre meios de comunicação da sociedade civil do Brasil e da Argentina e do Paraguai e Argentina a partir de iniciativas surgidas nas Cúpulas de Salvador (Brasil) e da Ilha do Cerrito (Argentina). Entendemos necessária a plena participação da sociedade civil na Reunião Especializada de Comunicação Social (RECS) tanto a nível nacional como regional.

Propomos aos países membros a adoção de medidas que garantam às pessoas com necesidades especiais: a) acesso aos meios de comunicação televisivos mediante a implementação de legendas, áudio-descrição e Língua dos Sinais nos programas; b) acesso aos jornais e revistas digitais e a toda informação institucional mediante o desenvolvimento de páginas Web acessíveis levando em conta as recomendações de nível internacional.

Vemos de forma positiva a incorporação nesta instância de pequenos e médios empresarios da comunicação identificados com as bandeiras das lutas dos movimentos sociais de nossos países. Por último, reiteramos o chamado a nossos presidentes para definir e implementar políticas concretas e imediatas para Democratizar a Comunicação com a ativa participação das organizações sociais.

Foz do Iguaçu, 15 de dezembro de 2010.

Pelo Brasil:

João Paulo Mehl – Intervozes
Jessica RodriguesRadio de la Juventud
Marco Piva – Altercom
Rafael Reis – Parlamento do Mercosul

Pelo Uruguai:

Sabrina Crovetto – Mercociudades
Alvaro Queiruga – Ovejas Negras
Soledad Fontela – Red Especial Uruguaya
Humberto De Marco – Red Especial Uruguaya
Alberto Esteves – CEDECOOP
Marianella Custodio – Federación de Estudiante Universitarios

Pelo Paraguai:

Santiago Ortiz – Radio Fe y Alegria
Atanasio Galeano – Voces de Paraguay
Lorena Escobar – Voces de Paraguay

Pela Argentina:

Carlos Borona – Cancillería
Hugo Pan – FM La Nueva
Pedro Lanteri – Radio Madres de Plaza de Mayo
José Luis Moyano – Radio El Libertador

Tradução: Marco Aurélio Weissheimer

.

Share