Moradores do Macuco formam comissão para discutir as remoções devido à construção do túnel Santos/Guarujá.

Foto: Rádio da Juventude

Foto: Rádio da Juventude – Reunião lotada, teve gente que acompanhou da rua.

Cerca de 80 pessoas se reuniram nesta última quinta-feira (21) para discutir e formar uma comissão de moradores que irá discutir e representar o bairro do Macuco em Santos junto ao poder público, devido à forma arbitrária como está sendo conduzido o projeto de construção do túnel Santos/Guarujá – cuja obra irá impactar nas condições de moradia, além de todo impacto ambiental, social e cultural – qual o próprio projeto negligencia.

A reunião começou por volta das 21h e contou com a presença de moradores do bairro Estuário (que também será atingido com a construção da obra) e de assessores da Deputada Telma de Souza (PT), do vereador Evaldo Stanislau (PT), de pessoas da sociedade civil e de organizações sociais solidarias com a luta.

1459312_628777680517762_635738633_nSegundo o que foi discutido a melhor arma que eles precisam ter neste momento é a informação, o método; é estarem juntos nesta luta, pois somente desta forma podem vencer este enorme desrespeito à vida humana que o governo do estado sobre a conivência da Prefeitura quer cometer contra a comunidade do Macuco e do Estuário.

Foto: Rádio da Juventude

Foto: Rádio da Juventude. Esta senhora relatou que já passou pelo processo de desapropriação – “é horrível, tomam sua casa e te dão uma mixaria”

Além do desafio de esclarecer toda sociedade de que este é um problema sério que irá afetar toda a região, a sociedade precisa se comprometer e ser solidária, a questão não é ser contra o túnel, não é este o debate, e precisa ficar claro, mas contra um projeto, qual existe alternativa de mudança, mas a insistência do governo municipal em não ouvir a população e manter o processo em andamento com se estivesse tudo certo e bom para todos, caracteriza por si só, algo totalmente autoritário e antidemocrático.

Segundo os moradores já aconteceram três audiência públicas e o Prefeito Paulo Alexandre Barbosa simplesmente não compareceu em nenhuma, apenas enviou um vídeo com a mensagem para que as pessoas se tranquilizem, pois nada passará por meio de sua caneta que prejudique a população, no entanto, para os moradores este discurso só tem revelado a eufemização do problema e a protelação de uma resolução.

Na última audiência pública, os moradores organizados dos bairros Estuário e Macuco pediram a anulação da audiência, já que a mesma em caráter antidemocrático insistia em não dar voz à população, mantendo a política vertical do governo do estado – o próprio Secretário de Meio Ambiente do estado de São Paulo Bruno Covas chegou a debochar de alguns moradores que revoltados queriam ser ouvidos, porém, eram impossibilitados.

(saiba mais sobre a audiência aqui)  (entenda mais sobre o túnel aqui)

No dia vinte de novembro num evento do dia da Consciência Negra na Praça Palmares em Santos, alguns moradores compareceram para panfletar e conseguir falar com o Prefeito que estava no evento, (como de protocolo de todo político) não podendo fugir reafirmou o discurso que havia feito no vídeo de que o projeto ainda está em andamento e que ninguém deve se preocupar – mas essa é a questão, pontuada pelos moradores, ninguém quer ser pego de surpresa e perder a casa, e, por isso, a falta de transparência do projeto somada as informações divulgadas de desapropriações feitas pela prefeitura assusta e ao mesmo tempo revela incoerência, afinal, como se pode ficar tranquilo sobre a eminência de se perder a casa e toda a história construída, seja ela pessoal, comunitária, social ou cultural que ao longo dos anos se consolidou.  São essas questões que a política desenvolvimentista não enxerga.

Parelelo com RJ.

A urbanista Raquel Rolnik¹ quando indagada sobre o que ela pensava do processo de remoções de centenas de famílias no RJ para construção de obras para a Copa do Mundo, em por que as obras tinham que ser feitas em locais simples (onde a maioria das pessoas não tem recursos) já que havia outros locais para serem construídas. Ela respondeu; “Não é por acaso que as obras vão cair exatamente por cima das comunidades…  Pra sair mais barato!”.

Foto: Rádio da Juventude

Foto: Rádio da Juventude

OBS: Ao término da reunião foi montada a comissão de moradores do Macuco e um abaixo assinado irá percorrer a região colhendo assinaturas para ser entregue ao Ministério Público a favor do túnel, desde que ele seja no centro de Santos sem remover nenhuma comunidade.

1. Urbanista, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e relatora especial da Organização das Nações Unidas para o direito à moradia adequada.

O não direito a informação e o não direito a participação dentro de um estado de direito é uma violação de direitos sociais, pra além, de direitos humanos!

Share

1 pensou em “Moradores do Macuco formam comissão para discutir as remoções devido à construção do túnel Santos/Guarujá.

Os comentários estão fechados.