Cleóbulo OCUPADO: Façamos nós por nossas mãos!

A Escola Estadual Cleóbulo Amazonas Duarte (C.A.D.) é mais uma da lista das sucateadas e que segue em processo de fechamento. Isso é, melhor dizendo, seguia em processo de sucateamento e fechamento pois desde quinta-feira, 19, quando estudantes a ocuparam contra a “reorganização escolar” (ou “desorganização escolar”), a escola vem ganhando melhorias estruturais e pedagógicas através de mutirões, oficinas: esportivas; culturais; educativas, biblioteca, cozinha comunitária, enfim, um ambiente onde a democracia direta, através das assembleias, a autogestão, o apoio mutuo, a horizontalidade, dentre outros princípios que contrariam a “ordem e progresso” apresentam seu exemplar funcionamento através da prática.

Acompanhem as atividade e informações através do canal oficial da ocupação:
https://www.facebook.com/naofechenossasescolasbs/
https://www.facebook.com/hashtag/cleobuloocupado

Ou colem na Ocupação:
Endereço: R. Dr. Guedes Coelho, 107 – Encruzilhada, Santos – SP

Façamos nós por nossas mãos!

Viva as Escolas Ocupadas!

Contra a (des)organização escolar!

 

Share

Primeira Feira Anarquista da Baixada Santista

Em 23 de agosto de 2014 a antiga “Barcelona Brasileira” recebeu a Primeira Feira Anarquista da Baixada Santista. No dia que completou 87 anos do assassinato dos anarquistas Sacco & Vanzetti, muitas reflexões sobre a violência do Estado no ontem e no hoje foram levantadas, situações concretas foram denunciadas e o anseio por mudança compartilhados entre compas.

Em um local de rearticulação do movimento Anarquista, a exitosa Feira, resultado de uma esforço coletivo, vem como um fôlego para seguir na construção de um novo mundo, desde as lutas cotidianas, nos “trabalhos de formiga”. O sentimento de solidariedade e apoio mútuo entre os coletivos de diversos lugares, através do encontro, prosas, olhares e abraços, nos faz perceber que não estamos sós nas inquietações e nas lutas.

A atividade aconteceu na Vila do Teatro, espaço ocupado e organizado pelo Movimento Teatral ao lado da rodoviária de Santos, o que facilitou muito a participação de compas de outras regiões, principalmente São Paulo. A infraestrutura do local também foi determinante para a organização do evento. Continuar lendo

Share

Galeano vive!

Pronunciamento de movimentos sociais e alun@s brasileir@s da escuelita em apoio aos zapatistas; três ações de solidariedade acontecem em São Paulo

galeano“Os valorizo porque eles como que fizeram um compromisso. Dizem que o que aprenderam aqui vão compartilhar com seus companheiros que de alguma maneira não puderam chegar até aqui, e que vão compartilhar o que nós lhes mostramos, o que eles viram, o que eles aprenderam”

(Galeano – José Luís Solís López – sobre a escuelita, Revista Rebeldía Zapatista, n1)

Nós, participantes brasileir@s da escuelita La libertad según las y los zapatistas abaixo listad@s, encaramos a experiência que tivemos lá exatamente como disse o compa Galeano, assassinado recentemente em uma emboscada que feriu mais quinze pessoas no caracol La Realidad. Nos sentimos não só indignad@s com a violência cometida contra a comunidade como compelid@s a, além de plantar por aqui as sementes de autonomia que crescem por aí, estar ao lado d@s zapatistas nos momentos em que se fizer necessário, já que a nossa solidariedade supera a distância e as fronteiras.

E nós, organizações sociais, movimentos e coletivos organizados desde baixo e preocupados com a justiça e a liberdade, igualmente nos vemos na responsabilidade e na disposição de ajudar a somar e ampliar o coro d@s que se revoltam com cada injustiça cometida contra @s que lutam, ainda mais @s que o fazem de forma tão inspiradora vivendo na plenitude de sua autonomia.

Aqui, nesta outra geografia chamada Brasil, chega também a dor e a raiva que ressoa das montanhas do sudeste mexicano.

Os ataques armados que vitimaram Galeano no dia 2 de maio na comunidade La Realidad – onde está sediada uma das cinco Juntas de Bom Governo, estrutura de poder autônoma em relação ao Estado contruída desde baixo pel@s zapatist@s – vieram de grupos paramilitares que há tempos atuam na região. Além dessa morte, houve mais quinze pessoas feridas e a escola e a clínica que servem a toda comunidade, e não só aos zapatistas, foram destruídas.

Passados os tempos mais duros de conflito entre zapatistas e o mau governo após o EZLN declarar a autonomia de seus territórios em 1994, a estratégia estatal para combater o movimento tem sido estimular ataques e provocações paramilitares, numa guerra de “baixa intensidade” que se combina com projetos assistenciais e outras intervenções “sociais” que visam dividir as bases de apoio. A solidariedade internacional é um elemento importante para constranger e frear a ação do Estado, exigindo que ele deixe de fomentar conflitos, de maneira que a autonomia siga seu caminho.

Se vivemos por aqui, com o estímulo de junho passado, tempos de luta e esperança, de mudança e confrontação com a mesma brutalidade dos de cima que existe em Chiapas e no México em geral, buscamos agora, às vésperas da Copa,  construir um período em que mais e mais gente estará nas ruas, lutando por um mundo onde caibam muitos mundos assim como defende o EZLN e suas bases de apoio.

Atendendo ao chamado feito pelos zapatistas, entre os dias 22 e 31 de maio serão realizadas três atividades em solidariedade e demandando o fim das agressões aos territórios autônomos em Chiapas (clique nos links para saber mais e participar):

22/5 – Bate-papo sobre escuelita na Rádio Cordel Libertário
24/5 – Homenagem a Galeano durante Sarau do Fundão da M`Boi
31/5 – Dia de conversa e difusão do zapatismo na Comuna Aurora Negra – dia de solidariedade aos companheiros caídos – Rua Elias Martin, 11 – Rio Pequeno

Esperamos que nossa luta e solidariedade ressoem aí não como um alento, mas como um estímulo a seguir caminhando. Como comentou um compa ao sub Marcos, “não entendam mal nossas lágrimas, não são de tristeza, são de rebeldia”.

L@s zapatistas no están sol@s!

Galeano vive!

La lucha sigue y sigue!

Assinam:

Alun@s da Escuelita Zapatista la Libertad:

Adriana Moreno
Ana Luisa Queiroz
Ana Paula Morel
Breno Zúnica
Bruna Bernacchio
Camila Jourdan
Cândida Guariba
Elisa Matos Menezes
Felipe Addor
Felipe Mattos Johnson
Frederico Luca
Gabriela Moncau
Júlio Delmanto
Léa Tosold
Leonardo Cordeiro
Luiza Mandetta
Maria Aguilera
Marianna Fernandes Moreira
Matheus Grandi
Pedro Rosas Magrini
Rafael da Costa Gonçalves de Almeida
Renata Bessi

Movimentos sociais:

Biblioteca Terra Livre – http://bibliotecaterralivre.noblogs.org
Casa Mafalda – http://casamafalda.org/
Centro de Mídia Independente – São Paulo – http://www.midiaindependente.org
Coletivo DAR – coletivodar.org
Comboio
Comitê Popular da Copa SP – http://comitepopularsp.wordpress.com/
Desinformémonos Brasil – http://desinformemonos.org/
Instituto Praxis
Margens Clínicas
Mídia Negra – www.midianegra.noblogs.org
Moinho Vivo
Movimento Mães de Maio – http://maesdemaio.blogspot.com.br/
Movimento Passe Livre – São Paulo – http://saopaulo.mpl.org.br/
Organização Anarquista Terra e Liberdade – http://terraeliberdade.org/
Rádio da Juventude – http://radiodajuventude.radiolivre.org
Rede 2 de Outubro – http://rede2deoutubro.blogspot.com.br/
Rede Extremo Sul – http://redeextremosul.wordpress.com/
RIZOMA – Tendencia Libertaria e Autonoma – http://rizoma.milharal.org
Zapatistas Milharal – http://zapatistas.milharal.org
Rádio Várzea Livre  107,7 fm  http://varzea.radiolivre.org/

 

[versión en español]

Galeano vive!

Pronunciamiento de los movimientos sociales y alumn@s brasileñ@s de la Escuelita en apoyo a los zapatistas; tres acciones de solidaridad tendrán lugar en São Paulo

 “Además los valoro porque ellos como que hacen un compromiso. Dicen que lo que han aprendido aquí va a ir con sus compañeros que de alguna manera no pudieron llegar hasta acá, y que sí van a compartir lo que nosotros les enseñamos, lo que ellos vieron, lo que ellos aprendieron.”

(Galeano – José Luís Solís López – sobre la escuelita, Revista Rebeldía Zapatista, n1)

Nosotr@s, participantes brasileñ@s de la escuelita La libertad según las y los zapatistas abajo listad@s, encaramos la experiencia que tuvimos allá exactamente como dijo el compa Galeano, asesinado recientemente en una emboscada que hirió a más quince personas en el caracol La Realidad. Nosotr@s estamos no solamente indignad@s con la violencia cometida contra la comunidad, también sentimos la necesidad de plantar las semillas de la autonomía que crecen por todas las partes y estar al lado de l@s zapatistas en este momento, ya que nuestra solidaridad supera distancias y fronteras.

Y nosotr@s, organizaciones sociales, movimientos y colectivos organizados desde abajo y preocupados con la justicia y la libertad, igualmente sentimos la responsabilidad y la disposición de ayudar a sumar y ampliar el coro de l@s que están indignad@s con cada injusticia cometida a l@s que luchan, especialmente a l@s que lo hacen de manera tan inspiradora viviendo en plenitud de su autonomía.

Aquí en esta otra geografía llamada Brasil llega también el dolor y la rabia que resuena desde las montañas del sureste mexicano.

Los ataques armados que mataron a Galeano en el 2 de mayo, en la comunidad de La Realidad – donde está la sede de una de las cinco Juntas de Buen Gobierno, estructura de poder autónoma en relación al Estado construida desde abajo por l@s zapatist@s -, provenían de grupos paramilitares que operan en la región desde hace tiempo. Además de esta muerte hubo otras quince personas heridas y la escuela y la clínica que atienden a toda la comunidad, no sólo a l@s zapatistas, fueron destruidas.

Después de los momentos más duros y abiertos de conflicto entre zapatistas y el mal gobierno, y tras la declaración de la autonomía de sus territorios en 1994, la estrategia del mal gobierno para combatir el movimiento es estimular los ataques y provocaciones paramilitares, una guerra de “baja intensidad” que se combina con otras intervenciones “sociales” destinadas a dividir las bases de apoyo. La solidaridad internacional es importante para limitar y restringir la acción del Estado, exigiendo que deje de fomentar conflictos, de manera que la autonomía siga libremente su rumbo.

Si vivimos aquí, con el estímulo de junio pasado, tiempo de lucha y esperanza, de cambios y confrontación con la misma brutalidad de los de arriba que ocurre en Chiapas y en México en general, buscamos ahora, a la víspera de la Copa del Mundo, construir un periodo en que más y más gente esté en las calles, luchando por un mundo donde quepan muchos mundos, así como defiende el EZLN y sus bases de apoyo.

Respondiendo al llamado hecho por l@s zapatistas, entre el 22 y 31 de mayo tres actividades se llevarán a cabo en São Paulo, en solidaridad y para exigir el fin de los ataques a los territorios autónomos en Chiapas (haga clic en los enlaces para obtener más informaciones):

22/5 – Charla sobre la escuelita en la Rádio Cordel Libertário
24/5 – Homenaje a Galeano en el Sarau do Fundão da M`Boi
31/5 – Charla y difusión del zapatismo en la Comuna Aurora Negra – dia de solidaridad a los compañeros caídos

Esperamos que nuestra lucha y solidaridad resuenen ahí no como un aliento, sino como un estímulo para seguir caminando. Como dijo un compa al sup Marcos, “no entiendan mal nuestras lágrimas, no son de tristeza, son de rebeldía”.

L@s zapatistas no están sol@s!

Galeano vive!

La lucha sigue y sigue!

Firman:

Alumn@s da Escuelita Zapatista la Libertad:

Adriana Moreno
Ana Luisa Queiroz
Ana Paula Morel
Breno Zúnica
Bruna Bernacchio
Camila Jourdan
Cândida Guariba
Elisa Matos Menezes
Felipe Addor
Felipe Mattos Johnson
Frederico Luca
Gabriela Moncau
Júlio Delmanto
Léa Tosold
Leonardo Cordeiro
Luiza Mandetta
Maria Aguilera
Marianna Fernandes Moreira
Matheus Grandi
Pedro Rosas Magrini
Rafael da Costa Gonçalves de Almeida
Renata Bessi

Movimientos sociales:

Biblioteca Terra Livre – http://bibliotecaterralivre.noblogs.org
Casa Mafalda – http://casamafalda.org/
Centro de Mídia Independente – São Paulo – http://www.midiaindependente.org
Coletivo DAR – coletivodar.org
Comboio
Comitê Popular da Copa SP – http://comitepopularsp.wordpress.com/
Desinformémonos Brasil – http://desinformemonos.org/
Instituto Praxis
Margens Clínicas
Mídia Negra – www.midianegra.noblogs.org
Moinho Vivo
Movimento Mães de Maio – http://maesdemaio.blogspot.com.br/
Movimento Passe Livre – São Paulo – http://saopaulo.mpl.org.br/
Organização Anarquista Terra e Liberdade – http://terraeliberdade.org/
Rádio da Juventude – http://radiodajuventude.radiolivre.org
Rede 2 de Outubro – http://rede2deoutubro.blogspot.com.br/
Rede Extremo Sul – http://redeextremosul.wordpress.com/
RIZOMA – Tendencia Libertaria e Autonoma – http://rizoma.milharal.org
Zapatistas Milharal – http://zapatistas.milharal.org
Rádio Várzea Livre  107,7 fm  http://varzea.radiolivre.org/

 

Share

Denúncia de agressão a Bases de Apoyo Zapatistas en La Realidad

No dia 2 de maio, o grupo paramilitar CIOAC agrediu companheir@s, Bases de Apoyo Zapatistas (BAZ), no Caracol I – La Realidad. O companheiro José Luis Solís López, professor de zona da escuelita pela liberdade, foi assassinado com tiros de bala calibre 22, além de outros companheiros feridos com tiros, facadas e pedradas.

Romeo Jimenez Lopez, Andulio Gomez lopez, Abacuc Jimenez Lopez, Yadiel Jimenez Lopez, Efrain, Gerardo, Ignacio, Esau, Noe, Saul, Elder Darinel, Marin, Nacho. Estes companheiros foram levados ao hospital escola zapatista la primera esperanza compañero Pedro, para os devidos cuidados.

As provocações iniciaram no dia 16 de março pelo grupo paramilitar CIOAC, quando os companheiros zapatistas realizavam uma campanha da “Outra saúde – autônoma”. Desde então @s zapatistas buscaram saídas pacíficas, com diálogos, mediados pelo Centro de Derecho Humanos Fray Bartolomé de Las Casas.

Nós, da Rádio da Juventude, participantes da Escuelita por la Libertad según l@s Zapatistas, nos solidarizamos com @s companheir@s e repudiamos esta e todas as agressões, orquestradas pelo Estado Mexicano e seus capangas.

BASTA DE ATAQUES AOS POVOS ZAPATISTAS!

FORA PARAMILITARES DO TERRITÓRIO ZAPATISTA!

VIVA AS COMUNIDADES E BASES DE APOIO ZAPATISTAS!

VIVA O EZLN!

Mensagem oficial da JBG: JUNTA DE BUEN GOBIERNO HACIA LA ESPERANZA DENUNCIA ENÉRGICAMENTE A LOS PARAMILITARES CIOAQUISTAS ORGANIZADOS POR LOS 3 NIVELES DE LOS MALOS GOBIERNOS EN CONTRA DE NUESTROS PUEBLOS BASES DE APOYO DEL EJERCITO ZAPATISTA DE LIBERACIÓN NACIONAL-EZLN

Share

Mídia corporativa divulga informação falsa a respeito de interferência por parte da Rádio Muda

fonte: http://muda.radiolivre.org/node/246

A Rádio Muda vem recebendo acusações de veículos de comunicação como o Correio Popular que versam sobre a Rádio Muda interferir em comunicação de aeronaves.
Na página A4 de hoje (25/02/2014) do Correio Popular de Campinas e reportagens televisivas da EPTV são feitas afirmações a respeito de dezenas de registros de interferências em aeronaves, pois bem, a Rádio Muda opera em 88,5MHz, frequência distante da faixa de comunicação de aeronaves, que vai de 118 a 136MHz, excluindo portanto a possibilidade de interferência de canal adjacente.
Qualquer harmônico da frequência da Rádio Muda também não está dentro da faixa alocada para comunicação de aviões, e não existem emissoras FM próximas a Rádio Muda que permitam que ocorra a geração de frequências produto de intermodulação.
O transmissor utilizado e construído para a Rádio Muda usa filtro de harmônicos (passa-baixa) e tem emissão de expúrios em canal adjacente compatível com a máscara de emissão estabelecida pela Anatel, atestada por engenheiros elétricos da Unicamp utilizando analisador de espectro.
Não existe nenhuma medida de campo que comprove qualquer intereferência da Rádio Muda em aviões ou outras emissoras de rádio.
Gostaríamos de pedir que esses veículos de comunicação mostrem as fontes que supostamente comentam sobre interferências de emissoras FM em comunicações de aeronaves, e ficaremos felizes de saber que mais pessoas tomarão conhecimento que grande parte das interferências em comunicações de aeronaves provêem de grandes emissoras de rádio e TV, que operam em potência superior à potência permitida pela concessão além de operarem normalmente em localização distinta da localização especificada na outorga.
Nunca foi registrado nenhum acidente na história da aviação causado por interferência de emissora FM.
Segue anexo um documento de um engenheiro do CPqD desmistificando essa questão da interferência: http://muda.radiolivre.org/sites/muda/files/Interferencia%20radio%20FM.pdf
Piratas são os grandes meios de comunicação, a Rádio Muda não está atrás do ouro!

RESISTÊNCIA!

Após covarde invasão e saque do estúdio da Rádio Muda, com apoio da Unicamp, o coletivo da Rádio Muda e muitos apoiadores retomam o estúdio. Rádio Muda, no ar há aprox. 30 anos!

Solidariedade e Debate com outras rádios livres

Download

Share

Levante Zapatista: 20 anos de resistência e construção da autonomia

fotos por: Regeneración Radio

ATENÇÃO: A Junta de Buen Gobierno do Caracol de Morelia denuncia hostilização e agressões.

No dia 1 de fevereiro, companheir@s bases de apoio do ejido 10 de abril, município autônomo em rebeldia “Dezessete de Noviembre” sofreram ataques por parte da Central Independiente de Obreros Agrícolas y Campesinos (CIOAC), onde alguns compas ficaram gravemente feridos e outros tiveram feridas leves. Além das agressões, os integrantes do Hospital San Carlos foram impedidos a todo custo de realizar suas atividades. leia a denúncia aqui

Há pouco mais de um mês completaram 20 anos do levantamento Zapatista. O Exército Zapatista de Libertação Nacional – EZLN, um povo simples do Estado de Chiapas, sul do México, que em 1 de janeiro de 1994 se levantaram em armas para dizer basta de injustiças. Desde então se organizam, lutam e resistem por democracia, liberdade e justiça, pelas quais defendem cotidianamente dos ataques e agressões orquestradas pelo “mau governo” (governo oficial do México), como alerta a notícia acima.

“Porque através desses paramilitares e seus seguidores, filiados aos diferentes partidos políticos, tem agredido, despojado, expulsado, provocado, ameaçado e roubado os pertences das nossas bases de apoio” – Comandanta Hortensia

Ao longo destes 20 anos o Estado Mexicano buscou e segue tentando desmobilizar o Movimento Zapatista com ataques ideológicos, utilizando a mídia como uma das ferramentas para criminalizar o movimento, grupos paramilitares que não param de crescer, dentre outras maneiras. A essas diferentes formas de ataques, os/as zapatistas tem organizado a resistência através das rádios comunitárias autônomas e projetos de vídeos; a busca da via pacífica para os conflitos com paramilitares; o resgate da cultura, idiomas e vestimenta, contrapondo a cultura hegemônica imposta; os trabalhos coletivos com gados, porcos, milho, feijão, tendas de artesanato, entre outras, como resistência econômica aos programas assistenciais que tentam minar a independência dos povos ao Estado.

“Nossos povos começaram a viver e a governar-se com suas próprias formas de pensar e de entender como o faziam nossos pais e avós. Isso é, começamos a viver a autonomia e a liberdade segundo l@s Zapatistas” – Comandanta Hortensia

Após o levante, @s zapatista perceberam que não bastava retomar suas terras, mas teriam que organizar-se politicamente, aprender a governar e construir sua autonomia. Tal autonomia baseia-se nos sete princípios: servir e não servir-se; representar e não suplantar; construir e não destruir; obedecer e não mandar; propor e não impor; convencer e não vencer; baixar e não subir. Dessa maneira seguem organizados os três níveis de governo: local, municipal e de zona, com autoridades eleitas pelas bases de apoio, com mandato revogado caso não cumpram com seus deveres. Dessa maneira segue a construção da autonomia, onde o povo manda e o governo obedece.

“Para que nossos irmãos e irmãs, do nosso país e do mundo, conheçam e vejam nossos pequenos esforços e humildes experiências, tratamos de compartilhar com el@s através das Escuelitas Zapatistas” – Comandanta Hortensia

Então, depois de vinte anos de experiência na luta contra o Estado, que não atende as urgências d@s “de baixo”, da classe oprimida. Mais que isso, contra um sistema mundial de opressão que é o neoliberalismo, o EZLN decidiu convidar movimentos, coletivos, organizações, do mundo inteiro, que tem afinidade com a VI Declaração da Selva Lacandona, para compartilhar sua visão de liberdade, suas formas de resistência, sua maneira de governar autonomamente e seus desafios em desconstruir valores machistas tão difundidos no sistema capitalista. Assim, estão acontecendo as Escuelitas Zapatista, com três rodadas já realizadas desde Agosto passado, contando com, aproximadamente, 1500 pessoas por edição. Quem participa da atividade tem como tarefa principal ouvir. Muito mais que propagar “ismos” (marxismos, bakuninismos, feminismos etc), @s alun@s devem conhecer, sentir e aprender com a trajetória desse povo em luta e resistência, para potencializar suas ações locais e fortalecer os laços de solidariedade.

“A melhor forma de honrar a memória de todos os nossos companheir@s, caíd@s, é comprometer-nos mais na luta, é seguir o exemplo dos nossos companheir@s , que nunca se venderam, nunca se renderam, nunca desistiram, até entregar a vida à seu povo” – Comandanta Hortensia

BASTA DE AGRESSÕES ÀS BASES DE APOIO ZAPATISTAS!
VIVA A RESISTÊNCIA E A AUTONOMIA ZAPATISTA!
VIVA O EZLN!

  • Mensagem do Comite Clandestino Revolucionario Indígena a cargo da Comandanta Hortensia
    Download
     
  • Hino das Escuelitas Zapatistas
    Download
     
  • Poema Utopias
    Download
     
  • Hino Zapatista
    Download
     
Share

Valdelice Verón: “A gente sabe que vai ser genocídio e mais genocídio”

Tragédia que dura décadas, o genocídio indígena no Mato Grosso do Sul segue com a conivência de todas as instâncias de governo. O povo guarani kaiowá conta com apoio dos companheiros para continuar resistindo por suas terras, mesmo massacrados pela ganância e crueldade de fazendeiros

A liderança indígena guarani kaiowá Valdelice Verón, trouxe a São Paulo um forte relato sobre a situação do seu povo em Mato Grosso do Sul, em evento realizado semana passada, na PUC.

Antes mesmo de começarem as falas, o público teve um momento de emoção no auditório da universidade: na mesa foram colados mais de 20 papéis com nomes de lideranças indígenas assassinadas nos últimos 30 anos, a grande maioria pessoas próximas de Valdelice, como seu pai Marco Verón. Em certo momento ela relatou como se deu a morte de algumas dessas pessoas, cujos assassinos até hoje seguem impunes.

Como Valdelice diz, o governo separou os povos indígenas do Mato Grosso do Sul para dividir os povos. Ela classifica as reservas indígenas de “chiqueiros”: “Para mim são áreas de abate, áreas de confinamento, de morte”, diz ela, que acrescenta que dentro da reserva não conseguem respirar, não conquistam autonomia nem mesmo de dar a educação indígena, tampouco há possibilidade de sobreviver dos recursos naturais.

Ela lembra a retomada da luta pelas terras indígenas tradicionais, feita com muita luta, reorganizando os povos. Porém, a luta traz consigo grandes tragédias. “É uma tristeza muito grande porque toda semana, todo dia morre jovem, criança, mulheres. Voltando a nosso tekoha a gente volta a tomar nossa terra. A gente encontra encontra indústria do etanol, cana, água podre, mesmo assim a gente retoma porque lá está nossa história, e nossa história não vai morrer, porque a gente tem uma memória muito forte que passa de pai pra filho, de filho pra neto.

Sobre as histórias que ela tem a contar, Valdelice diz que é a história dos líderes mortos, mas não para chorar, e sim levantar e seguir em frente.

Valdelice citou como se deu algumas das mortes nos conflitos de terra no estado, como nos anos 1970, como disse a ela seu pai, quando jagunços e outras pessoas queimaram sua tia, junto com os filhos, em uma casa grande construída pelos indígenas. Estas outras pessoas que o pai se referia vestiam blusão verde e sapatos grandes pretos (seriam militares?).

Valdelice mostra os nomes dos companheiros indígenas assassinados

Valdelice contou sobre a morte dos irmãos José Verón e Sérgio Verón, em que a versão oficial é de morte por acidente. Anos atrás, um trator passou pelas terras onde eles estavam enterrados, arrancando de lá seus corpos, e até hoje os indígenas não sabem onde estão os corpos deles e de outros familiares que estavam enterrados neste cemitério. “Mesmo assim voltamos para a terra”, diz.

A resistência e força de Valdelice foram ficando ainda mais explícitos no encontro: “Não adianta falar que compraram arma, que vão matar. A gente vai morrer, mas a gente vai retomar nossa terra. Amanhã, se eu não estiver mais, eu sei que minhas filhas vão continuar a luta”. Sobre a resistência, ela acrescentou: “Nós temos coragem para sobreviver. Aquele pedacinho de terra tem história, é sagrado, lá que a gente começa a se reorganizar, a se reestruturar, é lá que a gente começa a ter autonomia”.

Ela não demonstra medo em falar sobre as ameaças. “As pessoas se dizem civilizadas, como essas pessoas que mandaram recado pra nós, falando que já compraram armas no Paraguai pra matar nós. Esse tipo de civilização eu não quero. Quero diálogo, conversar”.
“Esses juízes deviam entender um pouco de nossa história, porque quando eles assinam uma liminar, assinam nossa sentença de morte, porque são crianças que vão morrer, mulherer, idosos, professores. Muita liderança é marcada pra morrer, a segurança privada em Dourados fez lista pra matar”.

Valdelice conta como todos podem ajudar: “Acredito que vocês que estão aqui são companheiros, são amigos – comecem de dentro de casa falando pros seus filhos que o povo indígena guarani kaiowá são seres humanos também”.

Ao final, depois de ser aplaudida de pé por todos os presentes, Valdelice ainda narrou mais mortes e violências praticadas contra os indígenas, a mando dos fazendeiros, incluindo um episódio ocorrido contra sua filha. “O que aconteceu com a minha filha não virou inquérito. Não tenho esperança na Justiça. Vamos recorrer à Funai, e lá temos filhos de fazendeiros que passaram no concurso, não temos onde pedir socorro”, diz ela, que afirma ainda: “A gente sabe que vai ser genocídio e mais genocídio”.

P.S.: Como citou Valdelice e Sassá Tupinambá, a última assembleia Guarani e Kaiowá Aty Guasu divulgou nota alertando sobre a situação de ameaça de extermínio em que vivem, e que não vão abrir mão da resistência. A nota se encerra dizendo o seguinte:

“Sim, temos somente nossos cantos e rezas sagradas mbaraka e takua para buscar e gerar a paz verdadeira à vida humana. Neste sentido, nós vamos e queremos ser morto coletivamente cantando e rezando pelos pistoleiros das fazendas. Esta é nossa posição definitiva diante da ameaça de morte coletiva/genocídio/etnocídio anunciada publicamente pelos fazendeiros da região de faixa de fronteira Brasil/Paraguai.”

(Nota completa pode ser acessada aqui)

Interessados em colaborarem com a causa guarani kaiowá podem acessar o blog do Comitê Internacional de Solidariedade ao Povo Guarani e Kaiowá: http://solidariedadeguaranikaiowa.wordpress.com/

Mais informações sobre as retomadas indígenas no http://uniaocampocidadeefloresta.wordpress.com/

Vídeo – Expedição Marco Verón – a luta dos guarani kaiowás no Mato Grosso do Sul

Share

Toda solidariedade ao povo paraguaio! (classe trabalhadora) Que carrega sobre seus ombros toda a luta de um povo oprimido pelo Estado.

O povo do Paraguai, assim como o povo brasileiro, sofre com a opressão do Estado: perseguido, assassinado, torturado e excluído dos processos que garantam a dignidade humana para viver.

No dia 15 de junho, 17 pessoas foram assassinadas por policiais durante uma reintegração de posses na cidade de Curuguaty, na fronteira com o Paraná.

A direita paraguaia utilizou-se deste fato para depor o presidente, caracterizando  um golpe. Cabe a nós olharmos para essa situação e sermos solidários com o povo (a classe trabalhadora), porque o presidente deposto em nada representa o poder popular, era outro populista, que utilizava-se da luta popular para se manter no poder. Ou seja, governo é governo em todo lugar.

Esperamos que o povo paraguaio se organize e mobilize-se (como já está ocorrendo) E nós enquanto pueblos hermanos precisamos estar juntos nessa luta contra todo o genocídio promovido por governos e Estados, estes são os verdadeiros inimigos da classe trabalhadora.

Estado e governo existem para garantir o privilégio de uma classe e a exclusão de outra.

Tamujunto com o povo paraguaio nessa luta!

Share