Desde as ondas livres: Alerta vermelha

fonte: http://kehuelga.net/spip.php?article3984&lang=es

Em 22 de outubro de 2015 percebemos que um sinal de rádio esta interferindo as ondas hertzianas da Ke Huelga Radio na frequência 102.9 FM. A interferência consiste em um ruído branco que corta nosso sinal no sul da Cidade do México (DF).

Se trata de mais um ataque a liberdade de expressão e aos meios livres. Esta interferência é parte da ofensiva que busca silenciar as vozes dissidentes e críticas dos poderes criminais que governam México. Assassinatos, ameaças de morte, invasões, espancamentos, são algumas das “táticas” que os governos empregam contra os comunicadores e projetos de meios livres, comunitários e independentes:

  • Em 31 de julho de 2015 foram assassinados Rubén Espinosa, Nadia Vera, Yesenia Quiroz, Mile Virginia Martín, e Olivia Alejandra Negrete, na colonia Narvarte. Nadia e Rubéns haviam abandonado Veracruz depois de receber ameaças e agressões; este último, devido ao seu trabalho como fotojornalista.
  • Membros da Agencia Subversiones receberam ameaças e intimidações nos últimos meses, sendo uma das mais graves a sofrida por Heriberto Paredes em 31 de agosto de 2015, quando foi ameaçado de morte por um desconhecido.
  • O domicilio das jornalistas Flor Goche y Elva Mendoza, colaboradoras do Desinformémonos e Contralínea, respectivamente, foi invadido por desconhecidos no dia 8 de setembro de 2015, mostrando que o mecanismo governamental de proteção aos jornalistas é totalmente ineficaz.
  • Tampouco esquecemos que em 21 de setembro um ataque porril destruiu a cabine da Regeneración Radio e que nossos companheiros sofreram diversas agressões físicas nos meses recentes, assim como ameaças de morte.
  • Integrantes do HIJOS México também denunciaram as agressões que sofreram, entre as quais telefonemas intimidadores, roubo dos fundos da organização e uma invasão de domicílio de uma das integrantes, realizado por homens armados em 15 de outubro de 2015.
  • Alguns dos integrantes da Ké Huelga foram perseguidos recentemente: a primeira vez em 9 de outubro, próximo das 20:30, foram seguidos por um indivíduos a bordo de um automóvel. O segundo caso ocorreu na sexta-feira 23 de outubro ao saírem da cabine de radio, os companheiros perceberam que um homem estava observando o interior do espaço.

Devido a este clima repressivo, consideramos que a interferência do nosso sinal de Frequência Modulada é parte das ações governamentais contra as e os comunicadores independentes e contra os meios livres. Pensamos que pode ser início de medidas mais agressivas contra nós, por isso pedimos a todxs xs companheirxs ficarem atentos e prepararem-se para defender este espaço livre e de comunicação.

Nossos trabalhos se fundamentam nas liberdades de expressão e opinião que atualmente o Estado nega. Além disso nosso trabalho se justifica na Declaração Universal dos Direitos Humanos, cujo artigo 19 indica: “Todo indivíduo tem direito a liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de não ser perturbado por causa de suas opiniões, de investigar e receber informações e opiniões, de difundi-las, sem limite de fronteiras, por qualquer meio de expressão”.

Chamamos a nossxs companheirxs a acompanhar nossas transmissões por 102.9 FM, movendo a antena de seus aparatos de som até encontrar a maior nitidez possível de nosso sinal; e por internet em http://kehuelga.net:8000/radio.ogg . Convidamos também a acompanhar nossa página http://kehuelga.net. Nossos contatos de emergência, caso desapareçam os áudios habituais:

E-mail:  kehuelga@riseup.net

Transmissão em audio http://giss.tv:8000/kehuelga.ogg

Blog http://kehuelga.noblogs.org

A repressão e a intimidação do governo não calará nossas vozes; mais importante ainda: Não calarão a palavra dos que dia a dia lutam e constroem outro mundo nas ruas, nos bairros, nas cidades, nas comunidades desse país em guerra.

Ké Huelga Radio
Libre, Social y Contra el Poder
102.9 FM

Share

Galeano vive!

Pronunciamento de movimentos sociais e alun@s brasileir@s da escuelita em apoio aos zapatistas; três ações de solidariedade acontecem em São Paulo

galeano“Os valorizo porque eles como que fizeram um compromisso. Dizem que o que aprenderam aqui vão compartilhar com seus companheiros que de alguma maneira não puderam chegar até aqui, e que vão compartilhar o que nós lhes mostramos, o que eles viram, o que eles aprenderam”

(Galeano – José Luís Solís López – sobre a escuelita, Revista Rebeldía Zapatista, n1)

Nós, participantes brasileir@s da escuelita La libertad según las y los zapatistas abaixo listad@s, encaramos a experiência que tivemos lá exatamente como disse o compa Galeano, assassinado recentemente em uma emboscada que feriu mais quinze pessoas no caracol La Realidad. Nos sentimos não só indignad@s com a violência cometida contra a comunidade como compelid@s a, além de plantar por aqui as sementes de autonomia que crescem por aí, estar ao lado d@s zapatistas nos momentos em que se fizer necessário, já que a nossa solidariedade supera a distância e as fronteiras.

E nós, organizações sociais, movimentos e coletivos organizados desde baixo e preocupados com a justiça e a liberdade, igualmente nos vemos na responsabilidade e na disposição de ajudar a somar e ampliar o coro d@s que se revoltam com cada injustiça cometida contra @s que lutam, ainda mais @s que o fazem de forma tão inspiradora vivendo na plenitude de sua autonomia.

Aqui, nesta outra geografia chamada Brasil, chega também a dor e a raiva que ressoa das montanhas do sudeste mexicano.

Os ataques armados que vitimaram Galeano no dia 2 de maio na comunidade La Realidad – onde está sediada uma das cinco Juntas de Bom Governo, estrutura de poder autônoma em relação ao Estado contruída desde baixo pel@s zapatist@s – vieram de grupos paramilitares que há tempos atuam na região. Além dessa morte, houve mais quinze pessoas feridas e a escola e a clínica que servem a toda comunidade, e não só aos zapatistas, foram destruídas.

Passados os tempos mais duros de conflito entre zapatistas e o mau governo após o EZLN declarar a autonomia de seus territórios em 1994, a estratégia estatal para combater o movimento tem sido estimular ataques e provocações paramilitares, numa guerra de “baixa intensidade” que se combina com projetos assistenciais e outras intervenções “sociais” que visam dividir as bases de apoio. A solidariedade internacional é um elemento importante para constranger e frear a ação do Estado, exigindo que ele deixe de fomentar conflitos, de maneira que a autonomia siga seu caminho.

Se vivemos por aqui, com o estímulo de junho passado, tempos de luta e esperança, de mudança e confrontação com a mesma brutalidade dos de cima que existe em Chiapas e no México em geral, buscamos agora, às vésperas da Copa,  construir um período em que mais e mais gente estará nas ruas, lutando por um mundo onde caibam muitos mundos assim como defende o EZLN e suas bases de apoio.

Atendendo ao chamado feito pelos zapatistas, entre os dias 22 e 31 de maio serão realizadas três atividades em solidariedade e demandando o fim das agressões aos territórios autônomos em Chiapas (clique nos links para saber mais e participar):

22/5 – Bate-papo sobre escuelita na Rádio Cordel Libertário
24/5 – Homenagem a Galeano durante Sarau do Fundão da M`Boi
31/5 – Dia de conversa e difusão do zapatismo na Comuna Aurora Negra – dia de solidariedade aos companheiros caídos – Rua Elias Martin, 11 – Rio Pequeno

Esperamos que nossa luta e solidariedade ressoem aí não como um alento, mas como um estímulo a seguir caminhando. Como comentou um compa ao sub Marcos, “não entendam mal nossas lágrimas, não são de tristeza, são de rebeldia”.

L@s zapatistas no están sol@s!

Galeano vive!

La lucha sigue y sigue!

Assinam:

Alun@s da Escuelita Zapatista la Libertad:

Adriana Moreno
Ana Luisa Queiroz
Ana Paula Morel
Breno Zúnica
Bruna Bernacchio
Camila Jourdan
Cândida Guariba
Elisa Matos Menezes
Felipe Addor
Felipe Mattos Johnson
Frederico Luca
Gabriela Moncau
Júlio Delmanto
Léa Tosold
Leonardo Cordeiro
Luiza Mandetta
Maria Aguilera
Marianna Fernandes Moreira
Matheus Grandi
Pedro Rosas Magrini
Rafael da Costa Gonçalves de Almeida
Renata Bessi

Movimentos sociais:

Biblioteca Terra Livre – http://bibliotecaterralivre.noblogs.org
Casa Mafalda – http://casamafalda.org/
Centro de Mídia Independente – São Paulo – http://www.midiaindependente.org
Coletivo DAR – coletivodar.org
Comboio
Comitê Popular da Copa SP – http://comitepopularsp.wordpress.com/
Desinformémonos Brasil – http://desinformemonos.org/
Instituto Praxis
Margens Clínicas
Mídia Negra – www.midianegra.noblogs.org
Moinho Vivo
Movimento Mães de Maio – http://maesdemaio.blogspot.com.br/
Movimento Passe Livre – São Paulo – http://saopaulo.mpl.org.br/
Organização Anarquista Terra e Liberdade – http://terraeliberdade.org/
Rádio da Juventude – http://radiodajuventude.radiolivre.org
Rede 2 de Outubro – http://rede2deoutubro.blogspot.com.br/
Rede Extremo Sul – http://redeextremosul.wordpress.com/
RIZOMA – Tendencia Libertaria e Autonoma – http://rizoma.milharal.org
Zapatistas Milharal – http://zapatistas.milharal.org
Rádio Várzea Livre  107,7 fm  http://varzea.radiolivre.org/

 

[versión en español]

Galeano vive!

Pronunciamiento de los movimientos sociales y alumn@s brasileñ@s de la Escuelita en apoyo a los zapatistas; tres acciones de solidaridad tendrán lugar en São Paulo

 “Además los valoro porque ellos como que hacen un compromiso. Dicen que lo que han aprendido aquí va a ir con sus compañeros que de alguna manera no pudieron llegar hasta acá, y que sí van a compartir lo que nosotros les enseñamos, lo que ellos vieron, lo que ellos aprendieron.”

(Galeano – José Luís Solís López – sobre la escuelita, Revista Rebeldía Zapatista, n1)

Nosotr@s, participantes brasileñ@s de la escuelita La libertad según las y los zapatistas abajo listad@s, encaramos la experiencia que tuvimos allá exactamente como dijo el compa Galeano, asesinado recientemente en una emboscada que hirió a más quince personas en el caracol La Realidad. Nosotr@s estamos no solamente indignad@s con la violencia cometida contra la comunidad, también sentimos la necesidad de plantar las semillas de la autonomía que crecen por todas las partes y estar al lado de l@s zapatistas en este momento, ya que nuestra solidaridad supera distancias y fronteras.

Y nosotr@s, organizaciones sociales, movimientos y colectivos organizados desde abajo y preocupados con la justicia y la libertad, igualmente sentimos la responsabilidad y la disposición de ayudar a sumar y ampliar el coro de l@s que están indignad@s con cada injusticia cometida a l@s que luchan, especialmente a l@s que lo hacen de manera tan inspiradora viviendo en plenitud de su autonomía.

Aquí en esta otra geografía llamada Brasil llega también el dolor y la rabia que resuena desde las montañas del sureste mexicano.

Los ataques armados que mataron a Galeano en el 2 de mayo, en la comunidad de La Realidad – donde está la sede de una de las cinco Juntas de Buen Gobierno, estructura de poder autónoma en relación al Estado construida desde abajo por l@s zapatist@s -, provenían de grupos paramilitares que operan en la región desde hace tiempo. Además de esta muerte hubo otras quince personas heridas y la escuela y la clínica que atienden a toda la comunidad, no sólo a l@s zapatistas, fueron destruidas.

Después de los momentos más duros y abiertos de conflicto entre zapatistas y el mal gobierno, y tras la declaración de la autonomía de sus territorios en 1994, la estrategia del mal gobierno para combatir el movimiento es estimular los ataques y provocaciones paramilitares, una guerra de “baja intensidad” que se combina con otras intervenciones “sociales” destinadas a dividir las bases de apoyo. La solidaridad internacional es importante para limitar y restringir la acción del Estado, exigiendo que deje de fomentar conflictos, de manera que la autonomía siga libremente su rumbo.

Si vivimos aquí, con el estímulo de junio pasado, tiempo de lucha y esperanza, de cambios y confrontación con la misma brutalidad de los de arriba que ocurre en Chiapas y en México en general, buscamos ahora, a la víspera de la Copa del Mundo, construir un periodo en que más y más gente esté en las calles, luchando por un mundo donde quepan muchos mundos, así como defiende el EZLN y sus bases de apoyo.

Respondiendo al llamado hecho por l@s zapatistas, entre el 22 y 31 de mayo tres actividades se llevarán a cabo en São Paulo, en solidaridad y para exigir el fin de los ataques a los territorios autónomos en Chiapas (haga clic en los enlaces para obtener más informaciones):

22/5 – Charla sobre la escuelita en la Rádio Cordel Libertário
24/5 – Homenaje a Galeano en el Sarau do Fundão da M`Boi
31/5 – Charla y difusión del zapatismo en la Comuna Aurora Negra – dia de solidaridad a los compañeros caídos

Esperamos que nuestra lucha y solidaridad resuenen ahí no como un aliento, sino como un estímulo para seguir caminando. Como dijo un compa al sup Marcos, “no entiendan mal nuestras lágrimas, no son de tristeza, son de rebeldía”.

L@s zapatistas no están sol@s!

Galeano vive!

La lucha sigue y sigue!

Firman:

Alumn@s da Escuelita Zapatista la Libertad:

Adriana Moreno
Ana Luisa Queiroz
Ana Paula Morel
Breno Zúnica
Bruna Bernacchio
Camila Jourdan
Cândida Guariba
Elisa Matos Menezes
Felipe Addor
Felipe Mattos Johnson
Frederico Luca
Gabriela Moncau
Júlio Delmanto
Léa Tosold
Leonardo Cordeiro
Luiza Mandetta
Maria Aguilera
Marianna Fernandes Moreira
Matheus Grandi
Pedro Rosas Magrini
Rafael da Costa Gonçalves de Almeida
Renata Bessi

Movimientos sociales:

Biblioteca Terra Livre – http://bibliotecaterralivre.noblogs.org
Casa Mafalda – http://casamafalda.org/
Centro de Mídia Independente – São Paulo – http://www.midiaindependente.org
Coletivo DAR – coletivodar.org
Comboio
Comitê Popular da Copa SP – http://comitepopularsp.wordpress.com/
Desinformémonos Brasil – http://desinformemonos.org/
Instituto Praxis
Margens Clínicas
Mídia Negra – www.midianegra.noblogs.org
Moinho Vivo
Movimento Mães de Maio – http://maesdemaio.blogspot.com.br/
Movimento Passe Livre – São Paulo – http://saopaulo.mpl.org.br/
Organização Anarquista Terra e Liberdade – http://terraeliberdade.org/
Rádio da Juventude – http://radiodajuventude.radiolivre.org
Rede 2 de Outubro – http://rede2deoutubro.blogspot.com.br/
Rede Extremo Sul – http://redeextremosul.wordpress.com/
RIZOMA – Tendencia Libertaria e Autonoma – http://rizoma.milharal.org
Zapatistas Milharal – http://zapatistas.milharal.org
Rádio Várzea Livre  107,7 fm  http://varzea.radiolivre.org/

 

Share

Denúncia de agressão a Bases de Apoyo Zapatistas en La Realidad

No dia 2 de maio, o grupo paramilitar CIOAC agrediu companheir@s, Bases de Apoyo Zapatistas (BAZ), no Caracol I – La Realidad. O companheiro José Luis Solís López, professor de zona da escuelita pela liberdade, foi assassinado com tiros de bala calibre 22, além de outros companheiros feridos com tiros, facadas e pedradas.

Romeo Jimenez Lopez, Andulio Gomez lopez, Abacuc Jimenez Lopez, Yadiel Jimenez Lopez, Efrain, Gerardo, Ignacio, Esau, Noe, Saul, Elder Darinel, Marin, Nacho. Estes companheiros foram levados ao hospital escola zapatista la primera esperanza compañero Pedro, para os devidos cuidados.

As provocações iniciaram no dia 16 de março pelo grupo paramilitar CIOAC, quando os companheiros zapatistas realizavam uma campanha da “Outra saúde – autônoma”. Desde então @s zapatistas buscaram saídas pacíficas, com diálogos, mediados pelo Centro de Derecho Humanos Fray Bartolomé de Las Casas.

Nós, da Rádio da Juventude, participantes da Escuelita por la Libertad según l@s Zapatistas, nos solidarizamos com @s companheir@s e repudiamos esta e todas as agressões, orquestradas pelo Estado Mexicano e seus capangas.

BASTA DE ATAQUES AOS POVOS ZAPATISTAS!

FORA PARAMILITARES DO TERRITÓRIO ZAPATISTA!

VIVA AS COMUNIDADES E BASES DE APOIO ZAPATISTAS!

VIVA O EZLN!

Mensagem oficial da JBG: JUNTA DE BUEN GOBIERNO HACIA LA ESPERANZA DENUNCIA ENÉRGICAMENTE A LOS PARAMILITARES CIOAQUISTAS ORGANIZADOS POR LOS 3 NIVELES DE LOS MALOS GOBIERNOS EN CONTRA DE NUESTROS PUEBLOS BASES DE APOYO DEL EJERCITO ZAPATISTA DE LIBERACIÓN NACIONAL-EZLN

Share

[AUDIOS] 1º de maio no México 70 – Artístico e Classista!

DSC03383

Confira alguns registros em audio da atividade de 1 de maio / Primeiro encontro de graffiti do México 70.

Leia a matéria completa, com as fotos do evento

Download dos audios aqui

Infelizmente não conseguimos registrar a intervenção musical dos companheiros Antônio do Pinho e Dionísio. Por isso, segue o link de uma das músicas que eles apresentaram:

Share

1º de maio no México 70 – Artístico e Classista!

1-de-maio-divulgacao Pra além de uma intervenção urbana, o que ocorreu neste 1º de maio no México 70 foi um ato político de organização e mobilização popular, não de politiqueiros eleitoreiros que
querem votos, mas de pessoas que querem construir e somar sem sair bonito na foto pra tirar vantagem – AFINAL, SEMPRE TEM OS QUE COLAM ACHANDO QUE FAVELA É LUGAR DE PASSEIO PRA FORTALECER BASE ELEITOREIRA, ainda mais em São Vicente, onde a configuração política é frágil e a maioria oportunista.

Galera que colou foi muito firmeza e contribuiu porque não espera que as coisas caiam do céu, ou que algum vereador, prefeito, deputado… lhes resolva os problemas. galera é do corre, se organiza e faz mesmo.

Por isso, este primeiro de maio foi de povo pra povo! Porque o povo organizado não precisa delegar responsabilidades a terceiros (politiqueiros). O povo pode fazer sua política e juntos podemos construir e mudar a realidade, com autonomia e solidariedade.

Esta praça, no México 70, conhecida como “praça da B”, estava abandonada, com a atividade de hoje, uma nova cara surgiu, e isso só foi possível por meio de organização coletiva e autônoma de diversos segmentos de resistência cultural e social; da
comunidade, de entidades sindicais de luta, de artistas independentes e de comércios que entendem a importância de somar sem tirar proveito. Na prática, esta é prova que a população junta é forte. É nós por nós!

DSC034431º de maio é dia dos trabalhador@s, mas, infelizmente, não temos nada pra comemorar,
pois o trabalho que é reservado pra periferia é esta merda: terceirizações, quarteirizações, serviços temporários e um monte de coisas que passam como rolo compressor por cima de nossos direitos trabalhistas. Por isso, temos que somar e fazer por nós, eleger fulano ou sicrano se mostrou ineficaz, ontem, a Presidente fez seu discurso dizendo que o emprego aumentou, porém, que tipo de emprego é este a que
ela se refere?

Valeu a tod@s @s trabalhador@s que estiveram presente grafitando, dançando, mandando rima, fotografando, somando, ajudando na limpeza, no rango, nos corre e fortalecendo. É tudo nosso, juntos somos fortes!

Obs: Este 1º de maio foi organizado por Leonardo Francisco Zé Elias Elias Rádio da Juventude Rafael Pires Esmeralda Das Graças Rafael

Na caminhada algumas pessoas perguntaram quem era o dono do evento, se havia relação com fulano ou sicrano de partido, respondemos; o evento foi do povo (apenas organizado por estes citados) e com objetivo mesmo de não deixar políticos profissionais em busca de voto se crescerem as custas da favela.

Agradecemos a tod@s! Positividade.

Confira abaixo algumas fotos da atividade!

Preparativos:

Tudo pronto! Agora começa a atividade:

E no final do dia…

 

Share

Levante Zapatista: 20 anos de resistência e construção da autonomia

fotos por: Regeneración Radio

ATENÇÃO: A Junta de Buen Gobierno do Caracol de Morelia denuncia hostilização e agressões.

No dia 1 de fevereiro, companheir@s bases de apoio do ejido 10 de abril, município autônomo em rebeldia “Dezessete de Noviembre” sofreram ataques por parte da Central Independiente de Obreros Agrícolas y Campesinos (CIOAC), onde alguns compas ficaram gravemente feridos e outros tiveram feridas leves. Além das agressões, os integrantes do Hospital San Carlos foram impedidos a todo custo de realizar suas atividades. leia a denúncia aqui

Há pouco mais de um mês completaram 20 anos do levantamento Zapatista. O Exército Zapatista de Libertação Nacional – EZLN, um povo simples do Estado de Chiapas, sul do México, que em 1 de janeiro de 1994 se levantaram em armas para dizer basta de injustiças. Desde então se organizam, lutam e resistem por democracia, liberdade e justiça, pelas quais defendem cotidianamente dos ataques e agressões orquestradas pelo “mau governo” (governo oficial do México), como alerta a notícia acima.

“Porque através desses paramilitares e seus seguidores, filiados aos diferentes partidos políticos, tem agredido, despojado, expulsado, provocado, ameaçado e roubado os pertences das nossas bases de apoio” – Comandanta Hortensia

Ao longo destes 20 anos o Estado Mexicano buscou e segue tentando desmobilizar o Movimento Zapatista com ataques ideológicos, utilizando a mídia como uma das ferramentas para criminalizar o movimento, grupos paramilitares que não param de crescer, dentre outras maneiras. A essas diferentes formas de ataques, os/as zapatistas tem organizado a resistência através das rádios comunitárias autônomas e projetos de vídeos; a busca da via pacífica para os conflitos com paramilitares; o resgate da cultura, idiomas e vestimenta, contrapondo a cultura hegemônica imposta; os trabalhos coletivos com gados, porcos, milho, feijão, tendas de artesanato, entre outras, como resistência econômica aos programas assistenciais que tentam minar a independência dos povos ao Estado.

“Nossos povos começaram a viver e a governar-se com suas próprias formas de pensar e de entender como o faziam nossos pais e avós. Isso é, começamos a viver a autonomia e a liberdade segundo l@s Zapatistas” – Comandanta Hortensia

Após o levante, @s zapatista perceberam que não bastava retomar suas terras, mas teriam que organizar-se politicamente, aprender a governar e construir sua autonomia. Tal autonomia baseia-se nos sete princípios: servir e não servir-se; representar e não suplantar; construir e não destruir; obedecer e não mandar; propor e não impor; convencer e não vencer; baixar e não subir. Dessa maneira seguem organizados os três níveis de governo: local, municipal e de zona, com autoridades eleitas pelas bases de apoio, com mandato revogado caso não cumpram com seus deveres. Dessa maneira segue a construção da autonomia, onde o povo manda e o governo obedece.

“Para que nossos irmãos e irmãs, do nosso país e do mundo, conheçam e vejam nossos pequenos esforços e humildes experiências, tratamos de compartilhar com el@s através das Escuelitas Zapatistas” – Comandanta Hortensia

Então, depois de vinte anos de experiência na luta contra o Estado, que não atende as urgências d@s “de baixo”, da classe oprimida. Mais que isso, contra um sistema mundial de opressão que é o neoliberalismo, o EZLN decidiu convidar movimentos, coletivos, organizações, do mundo inteiro, que tem afinidade com a VI Declaração da Selva Lacandona, para compartilhar sua visão de liberdade, suas formas de resistência, sua maneira de governar autonomamente e seus desafios em desconstruir valores machistas tão difundidos no sistema capitalista. Assim, estão acontecendo as Escuelitas Zapatista, com três rodadas já realizadas desde Agosto passado, contando com, aproximadamente, 1500 pessoas por edição. Quem participa da atividade tem como tarefa principal ouvir. Muito mais que propagar “ismos” (marxismos, bakuninismos, feminismos etc), @s alun@s devem conhecer, sentir e aprender com a trajetória desse povo em luta e resistência, para potencializar suas ações locais e fortalecer os laços de solidariedade.

“A melhor forma de honrar a memória de todos os nossos companheir@s, caíd@s, é comprometer-nos mais na luta, é seguir o exemplo dos nossos companheir@s , que nunca se venderam, nunca se renderam, nunca desistiram, até entregar a vida à seu povo” – Comandanta Hortensia

BASTA DE AGRESSÕES ÀS BASES DE APOIO ZAPATISTAS!
VIVA A RESISTÊNCIA E A AUTONOMIA ZAPATISTA!
VIVA O EZLN!

  • Mensagem do Comite Clandestino Revolucionario Indígena a cargo da Comandanta Hortensia
    Download
     
  • Hino das Escuelitas Zapatistas
    Download
     
  • Poema Utopias
    Download
     
  • Hino Zapatista
    Download
     
Share