Uma crônica à política partidária vicentina.

Num determinado tempo, não se sabe ao certo se 2013, a classe política partidária vicentina resolveu elencar os problemas enfrentados pela população, “problemas estes” existentes desde que um assassino de nome Martim Afonso aportou por terras tupi-guarani.

Questões como saúde, transporte, educação, desemprego, falta de voz na câmara, cargos comissionados… Começaram a serem atirados num ventilador que espalhou tudo pelos ares! Juntando os próprios coliformes, resolveram despejar a culpa no responsável atual de plantão, responsável este, façamos uma observação:

Também um dia bebeu e comeu a mesa junto aos lobos, e também lobo, formou sua própria alcatéia, baseado nos valores morais dos cordeiros “que sempre obedecem”, mas ele continuou lobo, e tomou a coroa de um rei, que queria ver seu primogênito o substituindo por mais 16 mil anos. Mas não deu… Porém, ai é outra história…

Voltando.

Foi deste modo: com um rei deposto, um lobo de cordeiros e uma classe política chateada, que um terrível combate se iniciou, pois todos os lacaios se dividiram e não se sabe ao certo; se pelo bem comum – ou pela perversa sacada, de que após 16 mil anos de tal dinastia – abriu-se a oportunidade de se tomar o reinado todo, e a batalha foi sangrenta, os intrépidos guerreiros, digo: lacaios, não, lobos, políticos? O que importa? (são palavras sinônimas) se transvestiram de lutadores indignados pelas chagas do povo e foram construir seus palcos de guerra (de puro espetáculo), pois, a verdade; é que não é no “corpo a corpo” que se vence a guerra, é na propaganda de seus feitos (mesmo que nada tenham sido feitos).

Lembrem-se:

A verborragia disseminada por instrumentos avançadíssimos de imagem e áudio formam zumbis, e isso, durante aquele tempo foi muito utilizado, acho que em toda história de alguma forma o condicionamento foi muito utilizado para tirar proveito e manter o controle social.

E como eu sou eu e jacaré é bicho da água, espero um dia ver o povo chutar a bunda desses canalhas.

Share

2 pensou em “Uma crônica à política partidária vicentina.

  1. Muuuuuito bom! Eu também fico p*** com esse bando de urubús posando de “defensores da moral e dos bons costumes” na nossa espoliada Celula Mater. Ficam pagando de paladinos na Internet, quando antes faziam vistas grossas diante dos feitos do Reizinho Mandão e de seu Mamulengo sucessor. Isso tudo cheira a podre, e, se depender da nossa “classe político-partidária”, não há a menor expectativa de que os ares vão melhorar tão cedo. Triste destino esse da Cidade onde eu nasci!

  2. Muito bom mesmo, e de cidade em cidade as histórias se repetem, mas também a história já mostrou q o povo organizado consegue mudar os rumos e tomar pra si a gestão de suas próprias vidas, espero ver esse dia chegar por essas bandas de cá.

Os comentários estão fechados.